Baguete
InícioNotícias> Eurobras: de 12 para 2 servidores com VMware

Tamanho da fonte:-A+A

Eurobras: de 12 para 2 servidores com VMware

Gláucia Kirch
// quinta, 20/01/2011 10:23

A Eurobras, especializada na fabricação e fornecimento de soluções habitacionais metálicas, atendendo ao mercado nacional e internacional, acaba de concluir um projeto de virtualização realizado pela Danresa usando tecnologia VMWare.

Renato Porta, sócio-diretor da Danresa

O projeto, que levou cerca de dois meses, resultou no descarte de 12 equipamentos que causavam 99% dos problemas críticos da área de TI da empresa, que hoje atua com dois servidores virtualizados e um storage

Resultado: mais espaço no data center e economia de73% no consumo de energia elétrica.

“Constatamos, no início de 2010, que 99% dos problemas críticos relacionados ao uso de sistemas de informação ou recursos de tecnologia tinham ligação com hardware, o que gerava paralisação de servidores e impactava o funcionamento do ERP SAP, sistema de e-mail e acesso à Internet, entre outras funções fundamentais”, explica Iara Pires, Diretora de TI da Eurobras.

Além disso, a companhia começou em março do ano passado a traçar um plano de crescimento e consolidação que tinha como pré-requisito uma revisão e adequação de todos os processos de negócios, operacionais e de suporte, incluindo a TI.

Para otimizar a área tecnológica, além de virtualizar os servidores da matriz, localizada em Santo André, a empresa optou por revitalizar seu CPD, com investimentos destinados também a reforço de infraestrutura, aquisição de novos equipamentos e manutenção do contrato de suporte e manutenção com a Danresa.

“Este cenário, num estudo para dois anos, mostrou-se mais vantajoso e fizemos o desdobramento em dois estudos: viabilidade e custos da aquisição de servidores individuais por ambiente sistêmico, ou aquisição de dois servidores maiores e uso de virtualização. Escolhemos este último”, destaca Iara.

“Hoje, os dois servidores virtualizados e mais um storage garantemo alta disponibilidade, estabilidade e redundância de fontes, discos HD e processadores para a Eurobras”, afirma o sócio-diretor da Danresa, Renato Porta.

O projeto também garantiu à Eurobras flexibilidade de criação de novos ambientes, acomodando necessidades de expansão geográfica com a criação de novas filiais.

Além disso, a reestruturação do parque facilita a migração para o SAP das demais empresas do Grupo: Dynaplan sediada no Rio; e Planeta Saneamento, que comercializa sanitários químicos móveis, sem necessidade de aquisição de equipamentos adicionais.

“Com a finalização do projeto de virtualização na matriz, agora faremos a replicação deste modelo para as principais filiais”, finaliza Iara.

A Eurobras projeta, fabrica, vende e aluga sua linha de módulos metálicos em chapa de aço galvanizada para montagem de quaisquer tipos de edificações provisórias, tais como escritórios, alojamentos, refeitórios, vestiários, almoxarifados, depósitos e sanitários.

Há 30 anos no mercado, a companhia emprega 450 colaboradores, atuando em 10 estados brasileiros e países do Mercosul, América Central e África.

A carteira de clientes passa dos 800, incluindo nomes como Petrobras, Odebrecht,  Ministério da Defesa, Camargo Correa e Vale.

Já a Danresa é sediada em Santo André e focada em duas linhas de serviços: desenvolvimento de sistemas e infraestrutura/outsourcing.

A área de desenvolvimento é voltada a projetos de negócios por meio de sistemas personalizados de TI de acordo com a especificidade de cada cliente, realizando levantamento dos processos, análise e programação através da fábrica de software ou com profissionais alocados no cliente.

Em infraestrutura, a companhia oferece serviços como outsourcing de TI, gerenciamento e monitoramento de equipamentos de missão crítica como servidores, roteadores, switches e links de conectividade, instalação e manutenção de pontos de rede, voz e dados, service desk, entre outros.

Com cerca de 400 colaboradores e 100 clientes, a Danresa possui em sua carteira empresas como Basf (Suvinil), Ernst Young, Instituto Airton Senna, CVC e WoodBrook.

Gláucia Civa Kirch