Gary Degregorio e Amit Kaul no escritório da ThoughtWorks em Porto Alegre

A multinacional ThoughtWorks amplia suas operações no Brasil. Atualmente com 85 funcionários no escritório, em Porto Alegre, a empresa deve encerrar 2011 com 47% de contingente a mais, totalizando 125 colaboradores.

Na última sexta-feira, 18, a companhia abriu espaço físico para o crescimento, com a inauguração de suas novas instalações – uma área de 600 metros quadrados no 14º andar do Tecnopuc, na sede de Pontifícia Universidade Católica (PUCRS) na capital gaúcha.

Desde a chegada da empresa ao mercado brasileiro, em dezembro de 2009, os thoughtworkers tiveram um aumento em 17 vezes.

Os valores investidos na área não foram revelados.

O que Porto Alegre tem?
Porto Alegre é a única cidade latino-americana em que a empresa tem uma sede.

O grupo também atua nos Estados Unidos, Austrália, Canadá, Índia, Reino Unido, China e Alemanha.

“O principal motivo para termos vindo para cá (Porto Alegre) é a concentração de talento. Soubemos que na cidade há um bom contingente focado no movimento open source e também na metodologia Agile”, explica Gary Degregorio, diretor para América do Sul da empresa.

Atualmente, são 75 brasileiros e 10 estrangeiros trabalhando para a ThoughtWorks em Porto Alegre, todos sob o comando de Amit Kaul, Gerente Geral da ThoughtWorks Brasil.

Caça aos talentos
Além dos brasileiros, a empresa mira a mão de obra de outros países.

Viagens de recrutamento já foram agendadas para outro países da América Latina, como a Bolívia, onde os headhunters pararão em La Paz e Cochabamba.

“Nós queremos que as pessoas façam parte do global. Podemos ter, num momento, vários consultores dos Estados Unidos em Porto Alegre, bem como consultores brasileiros em outros países”, diz Degregorio.

Por isso, reforça o executivo, bilinguismo é fundamental para aspirar a uma vaga entre os “thoughtworkers”. Ter conhecimento de práticas como Scrum também ajuda, mas não é tudo.

Na opinião de Degregorio, nem o domínio de táticas inovadoras de desenvolvimento, ou mesmo certificações tradicionais, garantem uma boa consultoria.

“Tentamos equilibrar os perfis mais tradicionais de desenvolvimento e consultoria com métodos ágeis. O que nos importa mais é a experiência nos métodos e a inovação”, detalha o diretor.

Ser geek é fundamental
Método surgido na década de 1990, o desenvolvimento de software agile (ágil, do inglês) procura “aliviar” técnicas pesadas e burocráticas de produção do setor. A maioria dos métodos que seguem a filosofia tentam minimizar o risco pelo desenvolvimento do software em curtos períodos, em vez da entrega de um produto após um intervalo de tempo mais longo.

Ter conhecimento dos frameworks ágeis ajuda, mas, no final, o requisito elementar é o interesse em tecnologia, como simplifica Kaul:

“Estamos atrás dos geeks. Se você for apaixonado por tecnologia nós queremos conhecê-lo”.

Mercado brasileiro
A partir das operações no Brasil empresa desenvolverá softwares para clientes nos Estados Unidos e América Latina. No mercado brasileiro, Degregorio aposta em setores como o de energia para buscar clientes em potencial.

Com 1,6 mil funcionários nos oito países em que atua, a ThoughtWorks tem na sua carteira de clientes empresas como Cisco, Siemens, Jet Blue, além da Unicef e o jornal britânico The Guardian, entre outras entidades.

A empresa tem sede em Chicago, Estados Unidos, e foi fundada em 1993. Vagas disponíveis na empresa podem ser acessadas no endereço alistado nos links relacionados abaixo.