Foto: Flickr.

A Siemens PLM partiu para cima da SolidWorks com a divulgação de um case de migração que tira máximo proveito da insegurança existente na base de clientes da concorrente sobre uma futura migração de kernel da solução de CAD 3D da SolidWorks.

 

O case, distribuído em nível mundial, fala da troca de software de CAD da Helena Laboratories, fabricante de instrumentos de laboratório clínico com 800 empregados sediada no Texas, Estados Unidos.

 

Usuária SolidWorks desde 2007, a Helena decidiu trocar para o SolidEdge em 2010 quando começaram os rumores sobre a migração do SolidWorks, hoje baseado no Parasolid da Siemens, para a plataforma V6 que é o coração das aplicações da Dassault Systemes, dona da SolidWorks desde 1997.

 

“Nós não queremos desperdiçar nossos valiosos recursos, tempo e dinheiro para manter a implementação de mudanças para outros. Serão anos até o SolidWorks conseguir converter para Catia kernel”, relata na nota da Siemens Billy Oliver, engenheiro de projeto no Helena.

 

Enquanto a Siemens faz a sua parte expondo os possíveis problemas de uma futura migração, a SolidWorks se esforça para minimizar o possível impacto da novidade.

 

Durante o SolidWorks World 2012, o CEO da companhia Bertrand Sicot, disse que anúncios sobre a aguardada nova versão do software de CAD 3D, que já vem sendo esperada desde 2010, serão divulgados somente em 2013.

 

Sicot fez questão de frisar que mesmo com o lançamento em um futuro não determinado, a companhia não forçaria uma migração para o novo produto, mantendo o SolidWorks atual enquanto houvesse demanda dos clientes.

 

O primeiro ensaio sobre o assunto foi o lançamento em 2011 do n!Fuze, um software de gestão de documentos hospedado em cloud computing já baseado na plataforma V6. O produto no entanto não decolou e está atualmente em reformulação.

 

Se no front da engenharia a situação está indefinida, o V6 será a base de um ataque da SolidWorks na área de arquitetura, tradicionalmente dominada pela concorrente AutoDesk. A companhia prometeu até outubro o lançamento de um CAD voltado para o segmento.

 

Em resumo, a Siemens PLM ataca o mercado da SolidWorks, que se prepara para atacar o mercado da Autodesk, quem sem dúvida está preparando algo em relação aos seus concorrentes. Os próximos anos serão muito interessantes no mercado de CAD.