A Elucid, especializada em serviços de tecnologia com foco no setor elétrico, registrou 35% de crescimento no primeiro semestre de 2010 em relação ao faturamento bruto de 2009. O resultado ampliou a expectativa de faturamento do ano de R$ 150 milhões para R$ 160 milhões.

Para a companhia, a resolução da Aneel que exige que as distribuidoras, transmissoras e geradoras realizem o levantamento em campo de todos os seus ativos a fim de garantir a atualização de seus cadastros técnicos, teve impacto nos números.

Só para atender esta demanda, a Elucid criou uma área especializada em serviços de campo que respondeu por cerca de 20% deste crescimento.

Outro projeto que influenciou o aumento de receita, segundo a empresa, foi a implementação do seu CIS (Customer Information System) na Copel, distribuidora que atende 98% do estado do Paraná e cujo go live está programado para janeiro de 2011.

Já para atingir a meta de faturamento, a aposta está em projetos de mobilidade e no Meter to Cash - M2C, modelo de serviço em que a medição, faturamento e arrecadação de energia - incluindo a entrega da fatura ao cliente - é realizado por um terceiro.

"O M2C é uma espécie de BPO de Faturamento, em que nossa solução de mobilidade que possibilita o faturamento simultâneo, será integrada ao sistema comercial utilizado pela distribuidora", explica Michael Wimert Jr., presidente da Elucid.

De acordo com o executivo, leituristas, PDAs, impressoras térmicas e todos os equipamentos necessários para o processo serão disponibilizados pela Elucid e cobrados do cliente como um serviço.

Só em 2009 a Elucid cresceu 20% e atingiu faturamento de R$ 120 milhões.