Para manter suas operações em funcionamento 24 horas por dia, sete dias por semana, o UOL conta com um verdadeiro exercito de aplicações de código aberto - apresentadas nesta quinta-feira, 21, por Marden Neubert, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do UOL, no Fisl 11.  
 
O profissional listou um número considerável de soluções classificadas como imprescindíveis para  variadas operações. “ Nosso avanço passa pelo software livre. Desde os servidores até as soluções de produtividade” , afirma Neubert.

A começar pelo sistema de webmail do portal que é, segundo o diretor, uma das maiores implementações em Ruby do Brasil. “Ruby e Rails são muito falados atualmente, mas já temos dois anos de operação", afirma testemunhando que são frameworks estáveis e que podem ser utilizados de forma segura.
 
Com Linux na maioria dos servidores, a empresa aposta em XenHypervisor e no Apache - servindo todas as páginas do portal, que recebe “dezenas de bilhões de pageviews por mês”, conforme o diretor.

Neubert conta ainda que outros produtos são dependentes da velocidade do MySQL. O componente é considerado a primeira opção da empresa por sua confiabilidade, afirma o diretor. Outro ítem decisivo é o Jboss, usado como um container de sistemas criticos que exigem controles mais sofisticados . Já para containers de servlets, os favoritos são Jety e Tomcat.

Para questões de monitoramento de rede, a empresa aposta em Nagios e Cacti . Já automação de tarefas na operação do datacenter é orquestrada pelo Puppet. “Quando a escala de servidores passa de cinco ou dez mil máquinas é praticamente impossível ter somente ações manuais sobre os servidores. Como precisamos de comandos que rodam automaticamente , a solução é bastante adequada”, afirma.

O diretor conta ainda que o UOL tem o Java como a linguagem na qual cria a maioria dos sistemas . As razões são desempenho, escalabilidade, curva de aprendizado, portabilidade e disponibilidade de componentes de reuso, declara.

Já para sistemas de módulo que exigem alto desempenho, a empresa utiliza o compilador GCC que, segundo Neubert, evolui e vem evoluindo muito. Para acelerar o acesso e tornar a experiência do usuário mais agradável, o UOL utiliza ainda os aceleradores Squid e Varnish.
 
Dedicado as aplicações está o PHP, principalmente pela rapidez na criação de interface, afirma o diretor.  Já Python e Pearl são utilizador para “salvar a pele em automação de processamenteo de logs e em qualquer tarefa rápida e suja”, brinca Neubert.
 
No aspecto de produtividade, o uso de ferramentas de código aberto não diminui.

O profissional conta que o Ubuntu é o sistema preferido entre os desenvolvedores do UOL . Já o navegador escolhido, entre outras razões por sua ferramenta de debug, é o Mozilla Firefox.

Para automação de testes, a empresa usa e recomenda o Selenium, por testar o sistema inteiro e não somente os módulos. Para planejar e documentar os testes em ambiente ágil, a escolha é o Testlink e o Fitnesse.

Neubert elencou ainda soluções como Eclipse e seus plugins, jQuery, Hibernate, Struts e Spring , Subversion para os times de Scrum, Maven, Continuum e Hudson para integração continua, Mediawiki, entre outros.

Seguindo os preceitos do open source de devolver o conhecimento para a comunidade, o UOL contribui com bolsas de pesquisa de TI, hospeda sistemas Linux, contribui com correções e melhorias em projetos  e tem funcionários que atuam como comittes em grupos de Erlang e Jboss , conta o diretor.