A Leader e SBF, redes de varejo com 239 lojas espalhadas pelo Brasil, estão em processo de adoção do SAP Retail para controlar suas operações comerciais.

Ambas companhias já usam softwares da multinacional alemã no backoffice – menos complexa, essa área de negócio foi escolhida para uma primeira fase, ainda em 2009 – e agora vão colocar o produto no seu core business.

“Estamos preparando um IPO para 2012”, revela Cássio Teixeira Miranda, CFO da SBF, grupo que controla as marcas Centauro, ByTennis e Almax Sports, além de administrar as lojas da Nike no país. São 189 lojas em 22 estados.

Pesquisas citadas por executivos da SAP apontam que usuárias dos seus sistemas de gestão obtém uma valorização em média 13% maior do que concorrentes com outras solução na hora de abrir capital.

Na Leader, a adoção do SAP Retail é vista como uma estratégia para permitir à companhia se focar em seu negócio.

“O blinda o transacional e libera a empresa para pensar no diferencial, no mix de produtos para cada região”, explica Marco Carrascoza, diretor de Desenvolvimento Organizacional.

De acordo com Carrascoza a decisão de adotar um ERP da SAP veio depois do malfadado negócio com a gaúcha Lojas Renner, que havia feito uma proposta de compra e retirou na iminência da crise econômica, em outubro de 2008.

“Até então a estratégia de tecnologia era se tiver funcionando não mexe”, resume o executivo, para quem a adoção da ferramenta ajudou a profissionalizar a administração do negócio.

A Leader tem 50 lojas, concentradas no Rio de Janeiro e no Nordeste do país.

No segundo trimestre de 2010, a SAP divulgou ter aumentado em 59% as vendas de soluções para o setor de varejo na América Latina. O incremento foi maior no Brasil e na Argentina, onde a expansão foi superior a 100%.

O comércio varejista encerrou 2010 com recorde na alta de vendas de 10,9%. Segundo o IBGE, foi a maior alta acumulada desde 2001. A receita nominal cresceu 14,5% no período.

* Maurício Renner cobre o SAP Fórum à convite da SAP do Brasil