Foto: Divulgação, John.Karakatsanis/Flickr

A Microsoft e a Nokia estão desembolsando US$ 23,9 milhões para atrair desenvolvedores à plataforma Windows Phone.

Os recursos serão destinados a um novo programa para desenvolvimento de aplicativos chamado AppCampus, conduzido pela Universidade Aalto, de Helsinque, na Finlândia.

Nascida em 2010, a Aalto é a fusão de tradicionais escolas de tecnologia e design finlandesas.

Com o investimento, as empresas mantém seu esforço de aumentar as opções de aplicativos disponíveis aos usuários do seu ecossistema – criado para ser a terceira via, ou opção, ao Android e ao iOS, da Apple.

Apesar de ser a maior fabricante de celulares do mundo, com 22,3% de mercado em 2011, segundo o Gartner, a Nokia uniu forças com uma parcela minoritária em software: 1,9% (Microsoft).

As duas empresas perderam mercado na comparação com 2010.

Hoje, o número de aplicativos disponíveis no Windows Phone Marketplace supera os 65 mil, deixando para trás outra concorrente, a Research in Motion (RIM) e sua BlackBerry Store.

Mas ainda continua muito abaixo dos 500 mil aplicativos disponíveis na App Store da Apple ou no mercado Google Play, de acordo com a Distimo, que empresa que desenvolve pesquisas sobre aplicativos.

Dentro dos 65 mil apps do Windows estão alguns dos mais populares, como Facebook, Twitter, Foursquare e Evernote, mas produtores de muitos apps menores ou especializados não trabalham com ela.

Levantamento IDC/Appcelerator aponta que apenas 37% dos criadores de aplicativos estão dispostos a produzir programas para o Windows Phone.

Para os demais sistemas, 89% dos entrevistados se declaram interessados em desenvolver aplicativos para o iPhone e 79% deles em desenvolver aplicativos para o Android.