Andréa Boudeville

A Paradigma Business Solutions, empresa de consultoria e soluções para negócios eletrônicos com sede em Florianópolis, acaba de reforçar sua atuação no Rio Grande do Sul.

A meta é no mínimo dobrar a carteira de clientes, que hoje fica em torno de dez nomes do porte de CEEE, Fiergs, Puras e Grupo DASS, além de elevar a participação regional para cerca de 15%, anda em 2010.

Para tanto, o foco está em atendimento local: a companhia acaba de estabelecer em Porto Alegre um gerente de Contas gaúcho para coordenar os negócios com pleno conhecimento de causa. Trata-se de Jean Eduardo Schuch da Silva, que traz no currículo nove anos de experiência em prospecção e venda de produtos e serviços de TI na Dell.

“Apostamos na soma da experiência com um profundo conhecimento das características e particularidades regionais”, explica a CEO da Paradigma, Andréa Boudeville.

Segundo ela, os mercados-foco no Rio Grande do Sul seguirão sendo aqueles onde a companhia já possui seus maiores clientes no estado – governo, energia e indústria -, além de áreas como têxtil e metal-mecânica, onde a empresa tem forte atuação em outras regiões, como o Vale do Itajaí, em Santa Catarina.

E não é só o estado que está na mira dos catarinenses: o Sul como um todo interessa à Paradigma. Tanto que, ainda este ano, a meta é abrir uma nova unidade própria em Curitiba.

Com a força da região, a meta da empresa é crescer cerca de 75% sobre os R$ 5,6 milhões faturados em 2009.

“Mas esta é uma meta conservadora. Podemos chegar a bem mais do que isso”, garante Andréa.

Exterior
Hoje, a Paradigma atende a cerca de 120 clientes em todo o país e no exterior, onde possui cases em Portugal, por meio de uma parceria com a Lógica, e na Colômbia, este via atuação direta. Há, ainda, negociações encaminhadas na América Central, mas por enquanto a empresa prefere não expandir as informações.

Saindo do forno...
Outra novidade sobre a qual a Paradigma ainda mantém segredo é um lançamento previsto para agosto que irá incrementar o portfólio, hoje puxado pela plataforma Paradigma WBC - Web Business Center, que contempla 14 modalidades transacionais para compras e vendas eletrônicas, além de módulos para gestão de usuários, de catálogos de produtos e de cadastro de clientes e fornecedores.

R$ 400 bilhões em cinco anos
Módulos de BI, workflow de processos, gestor de portal e de conteúdo, ferramentas de busca e de pesquisa dirigida, solução de integração com legados (A2A) ou parceiros (EAI) complementam a plataforma, pela qual a Paradigma já respondeu por mega-leilões de energia elétrica que comercializaram mais de R$ 400 bilhões nos últimos cinco anos.

SaaS no foco
A companhia, que já entregou mais de 150 projetos, anuncia, ainda, um investimento em SaaS.

Trata-se do ClicBusiness.com, portal para o mercado de e-procurement e e-sales.

“Através da tecnologia de web service, a plataforma Paradigma WBC passa ser oferecida por este portal na forma de software as a service”, explica Andréa.

A ideia é conectar uma comunidade 200 mil empresas que operam negócios eletrônicos sem qualquer intermediação, relacionando-se com personalização em cada portal de e-procurement associado ao serviço e movimentando cerca de R$ 1 bilhão em 100 mil processos de compra por ano.