Baguete
InícioNotícias> Cybersul: espraiar para crescer

Tamanho da fonte:-A+A

EM EXPANSÃO

Cybersul: espraiar para crescer

Gláucia Kirch
// terça, 27/03/2012 14:37

O grupo gaúcho Cybersul aposta em expansão física para fomentar os negócios: com foco em ERP, comunicação digital e e-commerce, a empresa acaba de abrir uma unidade em Florianópolis e projeta quadruplicar a atual rede de 10 canais até fim de 2013, quando deverá ter 60% das vendas indiretas.

Michael WallerFoto: Divulgação

 

Com sede em Porto Alegre, a Cybersul já possuía um escritório em São Paulo, onde emprega 11 colaboradores que atendem a clientes de 19 estados. Com a unidade catarinense, a meta será aquecer as vendas especialmente do ERP.
 
Não por acaso: a solução é o carro-chefe do portfólio do grupo, com fatia em torno de 50% da receita geral e mais de 410 clientes, 70 deles conquistados só em 2011.
 
“É difícil implantar um ERP remotamente”, explica Michael Waller, um dos sócios da Cybersul. “No caso de Santa Catarina, um case em Joinville nos demonstrou isso: em um projeto de cerca de 100 horas, iniciamos remotamente, mas por volta das 30 horas foi necessário enviar um profissional alocado. Decidimos, então, pela unidade local”, comenta. 
 
O suporte, entretanto, permanece centralizado em Porto Alegre, tanto para o escritório catarinense, quanto para o paulista. 
 
“Vamos nos especializar cada vez mais nesta área, tanto que é nossa equipe de suporte a que mais deverá crescer nos próximos meses”, ressalta Waller.
 
Espraiando!
Quanto aos canais, a empresa gaúcha iniciou a estratégia de captação no segundo semestre do ano passado e já soma 10 representantes na capital e interior do estado, além de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Ceará. 
 
A empresa aposta em um sistema semelhante ao de franquia: o canal paga para se tornar representante, mas o investimento - mínimo de R$ 4,9 mil – não é em taxa de franqueado, mas em certificação.
 
“Temos um modelo de capacitação e certificação que foca as áreas de venda, técnica, RH, marca, entre outras, e é obrigatório para as empresas que desejarem atuar como nossas unidades de negócio”, comenta Waller. 
 
Os contratos se baseiam em percentuais: no caso de implantação, 90% dos ganhos vão para o canal, 10% para a Cybersul. Em licenciamento, é o contrário.
 
Por hora, os canais trabalham com o ERP do grupo, que é voltado a empresas de até 100 usuários. 
 
Em breve, a meta é passar aos parceiros também a bola das soluções de marketing digital e e-commerce, trabalhadas nas outras duas divisões do grupo – Mídia Pontocom e Mumbai, respectivamente.
 
A Mídia Pontocom já atende a cerca de 1 mil clientes espalhados pelo país, mas a Mumbai, criada em 2009, foi a divisão de maior crescimento individual dentro do grupo no ano passado, com mais de 200 projetos realizados. 
 
“Com foco no desenvolvimento de sites corporativos e lojas virtuais, esta unidade tem forte atuação em mercados como São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro”, explica Domingos Waller, sócio-fundador da Cybersul.
 
O ERP do grupo, batizado de Solution 3, tem framework pronto para integração com as soluções da Mumbai, o que tem aumentado a demanda junto aos atuais clientes do software de gestão. 
 
Também é possível a integração com outras soluções de e-commerce do mercado, mas aí entra na roda o trabalho pontual on demand.
 
O grupo porto-alegrense comemora seus dez anos com uma equipe de 80 colaboradores diretos, mais cerca de 20 indiretos, nos canais. 
 
O valor de faturamento de 2011, os Waller não divulgam, mas salientam a projeção de crescer 35% em 2012.
 
“Nossa média de crescimento tem sido muito agressiva.Foram quatro vezes nos últimos três anos”, destaca Domingos.
 
Para seguir mantendo a média, a companhia aposta na variedade não só do portfólio, que também conta com aplicações para vendas, NF-e, entre outras, mas também de segmentos atendidos. 
 
Hoje, o setor de comércio e reparação de veículos automotores lidera as vendas da companhia, seguido pela indústria de transformação, mas há também uma boa participação de profissionais liberais - 21,3% do total – nos contratos. 
 
A área de serviços também é boa compradora, garantem os Waller.
Gláucia Civa Kirch