Dario Bestetti, presidente da OpServices

A OpServices, com sede em Porto Alegre, está experimentando um jeito diferente de outsourcing.

Em parceria com as Faculdades Integradas de Taquara (Faccat) – a 73 quilômetros de Porto Alegre –, a empresa está terceirizando o desenvolvimento de parte do OpMon, app voltada  à análise de tráfego.

Segundo o presidente da OpServices, Dario Bestetti, a expectativa é de economizar de 30% a 40% na comparação com o processo normal de para o desenvolvimento do programa.

“Teríamos que contratar pessoas, ampliar nossas instalações... enfim, assumir um custo inviável. Além disso, nossa demanda poderia acabar depois do projeto e eu ficaria com uma estrutura humana e física sem utilização”, diz Bestetti.

Outsourcing universitário
Na prática, dois alunos de dois professores vão trabalhar em parte do programa dentro da própria estrutura da universidade. Num segundo momento, a equipe receberá mais dois alunos e seguirá aos cuidados de apenas um professor.

O executivo salienta que o projeto ainda está em fase piloto, mas pode ser ampliado para outras universidades regionais, no interior do estado: “dependendo de como for a experiência”, ressalta.

“Até existem empresas que fazem isso (terceirizam desenvolvimento), mas o custo é fora da possibilidade. Não é economicamente viável. Nessa parceria é uma via de duas mãos. A universidade faz um software e eu ofereço a oportunidade” completa Bestetti.

A oportunidade estendida, na opinião do CEO, é principalmente aos alunos.

Inclusão profissional
Tanto o Seprorgs como a Assespro-RS – entidades de classe que representam a TI no Rio Grande do Sul – não têm empresas associadas na região. Ou seja, há poucas vagas no mercado de trabalho local.

Hoje, a Faccat conta com cerca de 4 mil alunos e dois cursos na área de TI, o bacharelado em Sistemas de Informação e o tecnólogo em Sistemas para Internet.

Localizada em Taquara, microrregião Gramado-Canela, a cidade tem PIB anual em cerca de R$ 500 milhões – na Capital, o indicador é de R$ 36,7 bilhões, segundo dados do IBGE para 2008.

A opção foge do eixo Capital-São Leopoldo, onde estão os parques Tecnopuc e Tecnosinos, e empresas como o Ceitec.

Com o trabalho à distância, salienta Bestetti, os alunos têm uma chance de estagiar na área, adquirindo experiência, e talvez até sejam contratados pela própria OpService para modalidades de trabalho diferenciadas (à distância ou presenciais).

“Imagina, por exemplo, uma universidade de Bagé, o mercado de TI deve ser muito pequeno. Assim, nós conseguiríamos empregar pessoas num local de mercado carente, sem fazer com que as pessoas tenham que se deslocar para um grande centro. Eles continuariam vivendo na região”, acrescenta.

OpServices
Fundada em 2003, a OpServices é uma empresa especializada em monitoramento da experiência do cliente (CEM - Customer Experience Management), e gerenciamento de infraestrutura e sistemas.

O OpMon é um dos carros-chefe da empresa, voltado para o monitoramento de indicadores de infraestrutura de TI.

Segundo a empresa, a ferramenta é utilizada por centenas de empresas no Brasil e no exterior, tanto no modelo SaaS (como serviço), como no modelo LaS (venda de licença).

Atualmente a empresa trabalha com cerca de 30 profissionais em sua equipe, mas está em contínua expansão. Nos últimos anos a OpServices cresceu em torno de 30%, para 2011 a empresa espera crescer nesta mesma proporção.