Luis César Verdi

A SAP Brasil agregou 169 novos clientes à sua base no primeiro semestre deste ano, sendo que mais de 65% deles foram integrados à carteira no segundo trimestre. Entre as novas conquistas estão Schott Brasil, Minerva e Eldorado Celulose e Papel, entre outros.

Com planos arrojados de triplicar sua receita até 2014, a subsidiária registrou, de janeiro a junho, um aumento de 125% nas vendas de software e de 65% nas de software e serviços relacionados (SSRS) sobre o mesmo período de 2009.

Já em relação ao segundo trimestre (abril/junho) deste ano, houve um aumento de 139% na receita com vendas de software e de 74% na de software e serviços relacionados.

“Estamos vivendo um período muito positivo na SAP Brasil. Além do bom momento da nossa economia, temos um programa de investimentos estruturados da corporação mundial no país”, explica o presidente da subsidiária, Luis César Verdi. “Hoje, somos a operação que mais cresce na América Latina”, comemora.

Segundo o executivo, ainda no segundo trimestre as vendas de softwares para pequenas e médias empresas tiveram crescimento de 102% no país. Já para as grandes companhias, a expansão foi de 151%.

Outro destaque do semestre foram as receitas obtidas com as vendas das soluções SAP BusinessObjects (Business Intelligence, governança, risco e compliance, gerenciamento de desempenho corporativo, entre outras), que se expandiram 100% em relação ao 1S09.

Em outras verticais a SAP também cresceu no semestre: no varejo, as vendas aumentaram 128%. No setor público, a expansão foi de quase dez vezes sobre o mesmo período do ano passado. Já na indústria pesada, como petróleo e gás, houve expansão de 202% e, em bens de consumo, de 259,5%, ano/ano.

Resultados na América Latina
Na região, a SAP incrementou em 56% suas vendas de licenças de software no segundo trimestre de 2010, em comparação ao mesmo período de 2009.

Quando consideradas as vendas de software e serviços relacionados, o crescimento é de 35%.

A análise das sub-regiões demonstra que, além do Brasil, o México também demonstrou bom desempenho, com crescimento de 60% na receita de software.

Já do ponto de vista dos segmentos de negócio, incluindo as PME’s o número é positivo em 42% para toda a região e cresce para 65% entre as grandes empresas.

Além disso, 300 novos clientes foram conquistados, no trimestre, entre eles a Argentina, Cencosud (varejo); e os mexicanos, Geus (produtos de consumo); Consupago (banco); e Casa de Penhores Ligt Saviñón (banco).

Analistas decepcionados
Mundialmente, entretanto, o resultado de vendas da SAP decepcionou analistas: a companhia aumentou sua previsão de incremento de receita de software e serviços relacionados para algo entre 9% e 11%, ao divulgar seus resultados na terça-feira, 28, ante projeção anterior entre 4% a 8%.

O número inclui contribuições da norte-americana Sybase, adquirida em maio pela SAP, em entre 6 e 8 pontos percentuais.

Segundo a Reuters, as cifras decepcionaram analistas de mercado, que apostavam num aumento maior, dentro do ambiente de retomada de gastos em tecnologia.

No segundo trimestre, o lucro operacional da SAP aumentou 21%, para 774 milhões de euros, com receita de 2,26 bilhões de euros, alta de 16%. Analistas consultados pela Reuters esperavam lucro de 796 milhões de euros, com receita de 2,14 bilhões.