GVT cresce 39% e fatura R$ 3,35 bi

01/03/2012 15:13

A GVT encerrou 2011 com receita líquida de R$ 3,35 bilhões, 39% a mais do que o registrado em 2010.

O lucro líquido ajustado ficou em R$ 776,54 milhões, contra os R$ 479,79 do ano de 2010.

Já o Ebitda da companhia no ano passado atingiu R$1,39 bilhão, com margem de 41,5% - faixa similar à alcançada em 2010.

Tamanho da fonte: -A+A

A GVT encerrou 2011 com receita líquida de R$ 3,35 bilhões, 39% a mais do que o registrado em 2010.

O lucro líquido ajustado ficou em R$ 776,54 milhões, contra os R$ 479,79 do ano de 2010.

Já o Ebitda da companhia no ano passado atingiu R$1,39 bilhão, com margem de 41,5% - faixa similar à alcançada em 2010.

Só em serviços de próxima geração, que incluem banda larga, VoIP e dados para empresas, a receita da empresa cresceu 50% no ano, enquanto em telefonia fixa o aumento foi de 32,8%.

O número de linhas em serviço na base de clientes da GVT aumentou 49,5%, chegando a 6,32 milhões.

Em novas adições, a operadora somou, de janeiro a dezembro, 2,09 milhões de linhas à sua base, sendo 567,6 mil de banda larga.

Em 2011, a GVT iniciou operações em 22 novas cidades do país nas regiões Sudeste, Nordeste, Sul e Centro-Oeste, chegando ao total de 119 municípios atendidos em todos os segmentos em que atua - residencial, pequenas empresas e corporativo.

Só em banda larga, a empresa chegou ao final de 2011 com 92% de adesão na base de clientes.

Nas velocidades de 10Mbps ou mais, o percentual da clientela na carteira geral aumentou de 64% em dezembro de 2010 para 75% em dezembro de 2011, sendo que o plano de 15Mbps já representa 57% das vendas de ultravelocidades.

A GVT é controlada pela Vivendi, conglomerado de mídia e entretenimento que assumiu a companhia em 2009.

A holding é responsável por suporte operacional e financeiro à operadora, na qual investiu cerca de R$1,84 bilhão em 2011, crescimento de 39,9% na comparação com o ano anterior.

Em 2012, a empresa planeja aumentar ainda mais o valor investido, chegando a R$2,3 bilhões.
 

Veja também

GVT pode levantar R$ 15 bi com IPO

A GVT poderá levantar até R$ 15 bilhões com uma abertura de capital.

Segundo o jornal Valor Econômico, a empresa tem sido cortejada para fazer o movimento, e está tentada à ceder às investidas, numa busca de recursos para expandir a rede.

O valor esperado representaria o dobro pago originalmente pelo grupo francês Vivendi, que comprou a operadora brasileira no final de 2009.

A operadora, por sua vez, negou que esteja considerando fazer um IPO.

GVT gasta R$ 100 mi em mais 13 cidades

Além da cidade gaúcha de Estância Velha, anunciada nessa quinta-feira, 01, a GVT ampliará sua rede para mais 12 municípios do interior do Brasil, num investimento total de R$ 100 milhões.

Somente em Estância Velha foram R$ 2 milhões investidos em rede.

As obras de implantação da rede de telecomunicações 100% digital começaram em setembro e resultaram na construção de 1,6 mil acessos de telefonia fixa e banda larga.

GVT chega a Estância Velha

A GVT está iniciando sua operação em Estância Velha, município a 41 quilômetros de Porto Alegre.

Banda larga e telefonia fixa da empresa serão oferecidos inicialmente nos bairros Centro, Lira, Bela Vista, União e Floresta.

As obras de implantação da rede de telecomunicações 100% digital começaram em setembro e tiveram investimento inicial de R$ 2 milhões na construção de 1,6 mil acessos de telefonia fixa e banda larga.

GVT receberá R$ 1,18 bi do BNDES

A GVT receberá um crédito de R$ 1,184 bilhão do BNDES.

Aprovado nessa semana, o aporte à operadora controlada pelo grupo francês Vivendi será investido na ampliação de suas operações brasileiras, aumentando em pelo menos 76% o número de municípios em que atua nos próximos quatro anos.

Parte dos recursos do BNDES será destinada à expansão dos negócios. Projetos sociais da companhia levarão a outra parcela do total.

Receita da GVT cresce 38,4%

GVT atingiu receita de R$ 893,5 milhões no terceiro trimestre desse ano, alta de 38,4% no período anterior, com manutenção da margem Ebitda, informou a empresa nessa quarta-feira, 23.

O número de linhas em serviço na base de clientes alcançou 5,77 milhões em setembro, levando a empresa a um crescimento de mais de 50% em novas linhas.

GVT reforça serviço musical com Sony

A GVT fechou parceria com a Sony Music para ampliar o acervo do portal de conteúdo exclusivo com streaming ilimitado de músicas e clipes para clientes da banda larga Power GVT.

Com 100 mil cadastrados em 12 meses de existência, o Power Music Club (PMC) deverá estar acessível ainda em novembro para usuários de tablets e smartphones com a plataforma Android, além do iPhone e do iPad.

GVT: redução no 35 Mbps não é imediata

O novo plano de assinatura da GVT, no qual a banda larga de 35 Mbps para telefonia fixa e banda-larga a R$119,90 (no lugar dos atuais  R$ 199,90) será implantado “até o final de setembro”.

GVT TV custará a partir de R$ 59,90

Com estreia no mercado do seu serviço de prevista para outubro, a GVT anunciou nessa quinta-feira, 15, os preços dos pacotes da oferta, que conjugará transmissão por cabo e IP.

Segundo a empresa, os pacotes custam R$59,90 (Super HD), R$89,90 (Ultra HD) e  R$129,90 (Ultimate HD), todos com canais em alta definição, conteúdo sob demanda e conteúdos de internet customizados para TV.

Presidente da GVT no conselho da Vivendi

O presidente da GVT, Amos Genish, acaba de entrar para o Conselho Executivo de Administração da Vivendi, que controla a operadora desde novembro de 2009.

Desta forma, a operadora brasileira passa a participar das decisões do grupo francês.

O conselho é responsável por traçar as estratégias globais de atuação da Vivendi, assim como as políticas de investimentos e inovação.

Vivendi: mais compras no Brasil

O grupo francês Vivendi, que em 2009 levou a GVT por US$ 5,4 bilhões, quer fazer mais compras no Brasil.

“Queremos encher os canos da GVT com conteúdo e serviços”, afirmou em entrevista ao Financial Times desta quarta-feira, 12, o CEO da Vivendi, Jean-Bernard Lévy.

Para o executivo, o mercado brasileiro é “quase inexplorado”.

Vivendi mira investimentos no Brasil
O presidente da Vivendi, Jean-Bernard Levy, já havia declarado que a empresa está em busca de alvos para aquisições, como parte de sua estratégia para crescer em mercados emergentes.

Agora, porém, o papo ficou mais claro: segundo matéria publicada no Financial Times desta sexta-feira, 05, a operadora estaria avaliando oportunidades de investimento no Brasil.
Vivendi empresta € 250 mi para GVT
A GVT vai receber um empréstimo de € 250 milhões da sua controladora, a francesa Vivendi, anunciou a operadora nesta terça-feira, 23.

Cada saque terá o prazo de vencimento de cinco anos, e juros à taxa Euribor acrescida de 0,35 pontos percentuais ao ano. A Euribor é hoje de 0,9181% ao ano.