Claro, Net e Embratel anunciaram nesta qarta-feira, 05, um pacote de ofertas convergentes de TV por assinatura em alta definição, vídeo sob demanda, banda larga fixa e wireless, telefone fixo e celular, por preços que variam de R$ 399,90 e R$ 699,90.

Os serviços conjuntos chegam ao mercado a partir do sábado, 15, e resultam de uma integração tecnológica que as companhias já vêm tratando há cerca de três anos.

Serão quatro opções de planos, em um modelo que, segundo divulgado no anúncio oficial, garante ao cliente final economia de até 30% sobre o preço dos produtos vendidos separadamente.

União de forças

Conforme declarou ao Valor Econômico no começo de setembro o presidente da Claro, Carlos Zenteno, a operadora trabalhava para agilizar o processo de integraçaõ com as duas demais companhias - que têm participação acionária da América Móvil, controladora da Claro.

Zenteno afirmou que parte do aporte destinado pela tele para o Brasil até 2012, de R$ 10 bilhões, estava sendo aplicado a esse fim, com foco na migração de 100% da rede de fibra óptica da concessionária para uma rede comum IP.

Hoje, a rede de Claro, NET e Embratel totaliza 89 mil quilômetros.

Conforme o presidente da Claro, a previsão é acelerar o ritmo de integração devido a fatores como a aprovação do PLC 116 e o investimento na oferta de serviços e produtos combinados.

Mesmo tendo a América Móvil como acionista comum, as três concessionárias de telecomunicações atuam em separado, sem jamais terem lançado qualquer oferta que reunisse todos os serviços.

De forma fragmentada, algumas integrações já ocorreram: Embratel e NET, por exemplo, já têm parceria em algumas áreas, onde operam com redes conjuntas e a operadora de TV a cabo oferece serviço de telefonia fixa da aliada.

A integração com a Claro irá permitir a extensão do acordo também para a oferta de telefonia móvel.

A América Móvil é dona da Claro e controladora da Embratel, mas precisou esperar pelas mudanças na legislação de TV por assinatura aprovadas pela Anatel em agosto para assumir posição majoritária na NET.

Com as mudanças, ficou definido que o controle da operadora de TV, hoje pertencente às Organizações Globo, será transferido à América Móvil, embora o processo de transferência societária ainda penda de aval conclusivo da Anatel.