A presidente Dilma Rousseff reiterou nessa terça-feira, 06, a realização do leilão para a faixa 4G no Brasil no mês de maio.

“Licitaremos, em maio. E estaremos operando nestas faixas ainda em 2013 nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014”, disse a presidente, ao listar medidas do governo para o setor.

Com a declaração, Dilma volta a contrariar grandes empresas do setor, como Vivo e TIM, que pedem o adiamento do leilão, argumentando que preferem investir mais no 3G antes da próxima geração.

De acordo com analistas do Caixa Banco de Investimento, a licença para operar o 4G no Brasil poderá chegar a R$ 1,5 bilhão, numa avaliação com base nos valores do leilão das frequências do 3G de 2007.

No 4G, as conexões serão em média dez vezes mais rápidas que a atual tecnologia mais usada (3G), usando as frequências da faixa de 2,5 gigahertz.

A Claro é a única entre as maiores que defende o leilão no prazo

Fibra ótica
Dilma também citou a ativação de uma rede de fibra ótica para banda larga de 31 mil quilômetros, que, segundo ela, chegará às capitais dos 27 estados brasileiros.

“Contrataremos, ainda em 2012, a construção de cabos óticos submarinos para ligar o Brasil à América do Norte, à Europa e à África. Essas saídas internacionais serão somadas a um anel ótico sul-americano, cuja implementação foi decidida pelos países que integram a Unasul”, acrescentou.

Ao lado da primeira-ministra Angela Merkel, anfitriã do evento, Dilma disse que o crescimento econômico e a ascensão social no Brasil nos últimos anos aumentaram a importância das tecnologias digitais no país.

Segundo Dilma, a expansão da demanda brasileira por tecnologia levou o Brasil a ser o terceiro maior mercado de computadores pessoais e o quinto maior de telefones celulares em 2011.

Além da inclusão digital, a expansão do setor também representa oportunidades de investimentos para o país. “Só no setor de telecomunicações, o investimento estrangeiro direto no Brasil cresceu mais de dez vezes no ano passado, saltando para mais de US$ 6 bilhões”, citou.