A Vivo deve encerrar o ano cobrindo 2000 municípios brasileiros com o sinal 3G.

O número ficou 30% abaixo da meta estabelecida para 2011, fixada inicialmente em 2832, agora a meta estabelecida para 2012 como um todo. As cidades nas quais a empresa projeta a expansão concentram 85% da população brasileira, espalhada em mais de 5 mil muncípios.

“Não conseguimos cumprir nosso objetivo, mas vale lembrar que ainda temos mais cidades cobertas pelo 3G do que todos os concorrentes juntos”, apontou o presidente da Telefônica Brasil, Antonio Carlos Valente, durante encontro com jornalistas em São Paulo nesta terça-feira, 05.

O executivo apontou como uma das causas do atraso no cumprimento da meta o tsunami que atingiu o Japão em março, uma vez que o país é produtor de muitos dos componentes usados nas antenas de 3G.

Durante sua apresentação, Valente mostrou vídeos de comunidades ribeirinhas na Amazônia e da gaúcha Travesseiro, no vale do Taquari, cidades com menos de 3 mil habitantes no qual o 3G da Vivo foi a primeira opção de conexão à Internet disponível.

A Telefônica não detalha investimentos por área ou geografia, mas no total destinou R$ 6 bilhões ao Brasil em 2011, parte de um montante planejado de R$ 24,3 bilhões para 2011-2014, uma alta de 52% frente ao quadriênio anterior.


* Maurício Renner viajou a São Paulo à convite da Telefônica do Brasil