O Makro fechou contrato com a Arcon para gerir a segurança, controlar e otimizar o uso de WAN e o acesso à Internet, com soluções da Blue Coat.

O projeto garantiu 92% mais performance à rede, segundo Paulo Rodrigues, gerente de Tecnologia da rede atacadista.

O projeto envolveu 74 lojas e a matriz, com reanálise do tráfego e segurança de aplicações como software de frente de loja, CRM e ERP.

Fechado o contrato, que tem duração prevista de 36 meses, a implantação da plataforma Blue Coat foi concluída em três meses.

"Tínhamos problemas com o tráfego de dados das aplicações se tornar cada vez mais frequente. Além da obrigação de implantar soluções de segurança exigidas por normas internas e externas, planejávamos dobrar a capacidade dos links para melhorar a performance", explica Rodrigues.

Para solucionar estas questões, o Makro optou por serviços gerenciados de segurança (MSSP, na sigla em inglês). Para tanto, contratou a Arcon, que apresentou a solução da Blue Coat, a qual atendeu às demandas da companhia sem requerer qualquer upgrade de infraestrutura ou aplicações.

“À primeira vista, nossa saída seria dobrar a capacidade dos links imediatamente e implantar uma ferramenta de controle do acesso à Internet, mas esta seria uma solução bastante custosa e não resolveria os problemas de pico de demanda", avalia o gerente de TI do Makro. "Não dá para contratar um link com capacidade suficiente para os 3 ou 4 dias de pico da rede e pagar por isso durante o mês todo enquanto ele fica ocioso”, afirma.

Inicialmente, segundo ele, o projeto previa um investimento para a compra e implantação de uma ferramenta de segurança e um aumento de 70% no custo dos links para dobrar a capacidade.

Com a contratação do atual projeto, porém, todo o investimento inicial foi zerado e o custo mensal passou a incluir não apenas do fornecimento da tecnologia, mas também a implantação, monitoramento, administração e gerenciamento da solução por todo o período do contrato.

"Isso desobrigou nossa equipe destas tarefas", comemora Rodrigues.

O projeto também trouxe ganhos para a Arcon, que com isso ampliu sua participação no setor de atacado/varejo, conforme afirma Rogério Reis, diretor Comercial da companhia.

"Os problemas observados pelo Makro são comuns ao setor. Conseguimos resolvê-los por uma fração do custo da abordagem tradicional”, garante o executivo.

A Arcon mantém SOCs (Security Operation Centers) no Rio de Janeiro e em São Paulo voltados ao monitoramento, administração e gerenciamento de serviços prestados em regime 24x7x365.

O portfólio da empresa abrange serviços de detecção de códigos maliciosos, gestão de vulnerabilidades, firewall e VPN, IPS, segurança de e-mail, na web e endpoint, SIEM e DLP.

Além da Blue Coat, a carteira de parceiros traz nomes como Trend Micro, Checkpoint, Fortinet, Cisco e Microsoft, entre outros.

A Arcon gerencia mais de 290 ativos de segurança em todo o país, que protegem mais de 125 mil estações de trabalho e servidores de clientes de verticais como finanças, telecom, governo, indústria, saúde, energia e educação.

Nos últimos quatro anos, a empresa cresceu a uma média de 70,1% ao ano e conquistou mais de cem clientes.

O Makro atua no mercado atacadista, em sistema de autosserviço, e faz parte do grupo holandês SHV. No Brasil, a rede conta com 76 lojas espalhadas em 24 estados, além do Distrito Federal.

Além disso, a companhia possui 70 restaurantes e 28 postos de combustíveis espalhados pelo país