Impedida de negociar qualquer venda de ativos pela Anatel, a Oi deve procurar a agência para pedir esclarecimentos sobre o inventário solicitado pelo órgão regulador.

Segundo o site do jornal O Valor, o presidente da Oi, Luiz Eduardo Falco, pretende procurar o órgão.

A Anatel publicou, na última terça-feira, 11, os atos da exigência de inventário detalhado de todos os bens reversíveis das concessionárias Oi e Embratel.

Enquanto não cumprirem com o pedido, as concessionárias estão impedidas de negociar qualquer venda de ativos.

A lista de todos os bens reversíveis – o patrimônio que deve retornar à União ao fim dos contratos de concessão, em 2025 – deve ser refeita nos próximos seis meses. Caso a determinação não seja cumprida, as empresas podem perder a concessão.

“Nós vamos à Anatel para entender exatamente a posição deles. Nós não temos problemas com isso”, disse o executivo ao sair de reunião com o ministro Paulo Bernardo (Comunicações), segundo o Valor.

Falco assegura que a Oi já gastou R$ 30 milhões em quatro anos para instalar um sistema precursor de monitoramento de bens reversíveis. Segundo ele, trata-se de um sistema eletrônico que foi implementado na Oi e agora está sendo colocado na Brasil Telecom.

O executivo da Oi ressaltou que o controle de bens da companhia não é simples, já que possui a maior área de concessão, e, por isso, não pode ser comparado ao de outras concessionárias.