http://www.flickr.com/photos/montymetzger/3387026349/

Pesquisa global da KPMG International, com cerca de mil executivos das áreas financeira, varejo, tecnologia e telecomunicações, indica que o pagamento com aparelhos móveis será o meio mais utilizado dentro de até quatro anos.

Segundo o estudo, 83% dos entrevistados acreditam que o mobile payment será, até 2015, a principal modalidade utilizada pelos consumidores, na comparação com dinheiro, cheques ou cartões.

Entre todos os executivos ouvidos, 9% já consideram os pagamentos móveis como sendo os mais importantes de suas áreas.

Outros 46% acreditam que a solução consolidará presença num prazo menor: em apenas dois anos.

Para a consultoria, os indicadores mostram que a grande maioria das empresas considera que o uso das soluções de pagamentos móveis encontra-se ainda em sua “infância”, mas tem grandes perspectivas de evolução no médio prazo.

Outro dado mostra que, entre os entrevistados, 58% indicaram que suas empresas já possuem uma estratégia de envolvimento de pagamentos móveis em uso ou em desenvolvimento.

Principais atributos
Oitenta e um por cento acreditam que a conveniência e acessibilidade são os principais atributos dessa modalidade de pagamento; seguidos pela simplicidade e facilidade de uso, com 73% das respostas; segurança, com 57%; e baixo custo, com menos 43%.

Ao mesmo tempo, líderes empresariais do mundo todo apontam a segurança (71%) como o principal desafio para o desenvolvimento de estratégias para pagamentos móveis.

O uso e a adoção de novas tecnologias (57%) estão em um distante segundo lugar na abordagem dos desafios, seguidos de privacidade (38%).

De acordo com a KPMG, espera-se que várias empresas venham a desempenhar um papel significativo no setor, embora dois grupos empresariais sejam os principais candidatos, dizem os entrevistados.

Os bancos (82%), que tiveram uma posição de destaque na cadeia de valor, e as empresas de cartões de crédito (77%) terão um papel importante globalmente nesse processo, de acordo com os líderes empresariais.

Eles posicionam as empresas de telecomunicações em terceiro lugar nessa lista (72%); à frente de empresas on-line especializadas em pagamentos (68% - por exemplo, PayPal, Boku, Obopay); gigantes provedores de serviços on-line (67% - Google, Facebook, Amazon); varejistas (63%); e empresas de tecnologia (62%).