A Axis acaba de realizar no Espírito Santo seu primeiro projeto de videomonitoramento por câmeras térmicas no Brasil, país que lidera as vendas da companhia na América do Sul, com fatia de 52%.

O projeto foi implementado no Complexo Penitenciário de Viana, localizado na região metropolitana de Vitória. São 106 câmeras IP de alta definição (HDTV), com um sistema de detecção de imagens baseado na diferença de temperatura entre objetos, veículos ou pessoas.

Com o novo sistema, que funcionará 24h por dia, o objetivo é inibir fugas e identificar tentativas de escape mesmo à noite ou em meio à fumaça, neblina, poeira e névoa.

Uma iniciativa motivada, por exemplo, por episódios como o ocorrido em novembro deste ano, quando oito detentos fugiram da Penitenciária Agrícola do Espírito Santo (Paes), uma das unidades que compõem o complexo da Grande Vitória.

A implementação do novo sistema de monitoramento foi feita pela integradora 7LAN, parceira da Axis. As imagens captadas pelas novas câmeras HDTV serão armazenadas por até 45 dias.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Justiça do Espírito Santo, a expectativa é de que as câmeras térmicas entrem em funcionamento dentro de 30 dias.

"O projeto do Espírito Santo deverá se tornar um modelo para outras unidades prisionais do país", aposta Alessandra Faria, diretora da Axis para a América Latina.

Outros projetos
Outras cidades brasileiras já investem no videomonitoramento para aumentar a segurança.

A gaúcha Canoas, por exemplo, investiu R$ 3,8 milhões no início deste ano em um projeto que inclui a adoção de 149 câmeras, gerenciadas pela plataforma Cisco VSM (Video Surveillance Manager) e implantadas pela Mersh Automação & Sistemas.

As câmeras foram espalhadas pelas ruas do município da Grande Porto Alegre (38 equipamentos), prédios públicos (96) e parques (oito no Parque Eduardo Gomes e sete no Parque Municipal Getúlio Vargas).

Conforme Alberto Kopittke, secretário de Segurança Pública e Cidadania da cidade gaúcha, as imagens são monitoradas por uma central com capacidade de 30 Terabytes, o equivalente a cerca de seis meses de armazenamento.

As imagens são controladas por um núcleo que engloba prefeitura e polícias militar, civil e rodoviária federal, além da guarda municipal.

Brasil no foco da Axis
Com 33,5% de market share mundial em soluções de network vídeo, a Axis tem na América Latina seu maior mercado, em termos de crescimento global.

A companhia, sediada na Suécia, já vendeu mais de três milhões de câmeras em todo o mundo, e aposta no Brasil com base em dados como, por exemplo, os da IMS Research, que prevê que o mercado de câmeras IP do país terá, pelo menos até 2012, o crescimento mais acelerado de todo o continente americano.

Na América do Sul, a companhia mantém sede em São Paulo e unidades em Buenos Aires e Bogotá.

Em todo o mundo, são dezenas de escritórios próprios em 20 países, além de uma rede de distribuidores, integradores e parceiros OEM que atuam em 70 países.

A Axis emprega mais de 500 funcionários e, atualmente, os mercados fora da Suécia respondem por mais de 95% das vendas da companhia.