A TIM atingiu esta semana a marca de 50 milhões de clientes no Brasil. A operadora também assumiu a vice-liderança em market share em São Paulo (DDD 11) e recuperou a posição de líder na região Nordeste.

Já em valor de mercado, a empresa alcançou os R$ 15 bilhões, o que a torna a segunda colocada no Brasil, atrás da Vivo, e a quarta no mundo.
 
Entre as teles operantes no Brasil, as ações da TIM foram as que mais se valorizaram no ano, com alta acumulada de 10,6%.

Baseado nos resultados, o presidente da TIM Brasil, Luca Luciani, declarou que pretende investir cerca de R$ 3 bilhões no próximo ano e aproximadamente R$ 7,5 bilhões até 2012, especialmente na proposição de ofertas para asclasses C e D.

"Também intensificaremos a presença nas empresas”, diz Luciani.

Outra que superou a marca dos 50 milhões de clientes foi a Claro. A companhia adicionou cinco milhões de novos assinantes à sua base desde janeiro de 2010, especialmente no segmento pós-pago.

Em outubro, por exemplo, a operadora foi responsável por 51,2% das vendas de pós-pagos de todo o mercado nacional.

Com isso, enquanto a TIM é a segunda maior em valor de mercado, a Claro leva o segundo lugar em número de usuários, também atrás da Vivo, controlada pela espanhola Telefônica.

Os dados são da Anatel.

Decepcionando...
Apesar dos bons resultados em base de assinantes e crescimento de valor, no quesito qualidade dos serviços todas as operadoras móveis do país deixaram a desejar, segundo relatório divulgado na quinta-feira, 16.

Conforme o levantamento, nenhuma das teles cumpriu integralmente as metas propostas pelo Ministério da Justiça para melhoria no serviço e no atendimento aos usuários.

As metas fazem parte do Projeto Indicadores Públicos de Defesa do Consumidor, que contempla, além das telecomunicações, os setores bancário, de saúde e de varejo (supermercados).

A métrica tem como base o Cadastro Nacional de Reclamações Fundamentadas, que reúne as reclamações registradas nos Procons estaduais. O período analisado foi de 1.º de setembro de 2009 a 31 de agosto de 2010.

De acordo com o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça, TIM, Claro e Vivo aderiram ao projeto e assumiram compromissos de melhoria na forma de três metas que foram propostas pelas próprias empresas.

Na meta de redução de demandas, a TIM foi a que menos recebeu reclamações nos Procons estaduais na comparação com 2009 - foram 22.663 registros, ante 32.521 da Claro e 24.677 da Vivo.

No entanto, nenhuma das operadoras alcançou os objetivos pré-estabelecidos.

A segunda meta, de aumento de soluções através de notificações prévias, o melhor índice de resolução foi o da Vivo (79,7%).

Entretanto, a Claro foi a que apresentou maior aumento porcentual dessa taxa - de 57,7% em 2009 para 72,6% em 2010 - e foi a única a atingir sua própria meta. A TIM, por sua vez, alcançou 65,8%.

A útima meta consistia em obter um aumento no número de acordos em processos administrativos de reclamações, geralmente resolvidos em audiências.

A empresa que fechou mais acordos foi a Vivo (75%), seguida da Claro (63,9%) e da TIM (59%). Considerada a variação de ano para ano, a Claro foi a única a atingir a meta, informa o Ministério.