Tamanho da fonte: -A+A

O recém empossado presidente da Telebrás, o gaúcho Rogério Santanna, declara que seus próximos passos na estatal, gestora do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) serão colocar a empresa em operação em, no máximo, dois meses, lançar os editais licitatórios para contratar redes para o sudeste e nordeste e, até o fim de 2010, conectar 15 capitais e seis cidades interioranas.

Já até 2014, a meta é ampliar de 12 para 39,8 milhões o número de domicílios com acesso à banda larga no país.

Segundo Santanna, o papel principal da Telebrás no PNBL é fazer com que os pequenos provedores, que somam mais de 1,7 mil no Brasil, consigam contratar a linha industrial para vender a banda larga ao usuário final pelo preço de R$ 35 e, ainda assim, ganharem dinheiro com isso.

“Grandes operadoras trabalham com modelos de negócios que já se mostraram insuficientes para atender a classe C, D e E. Mesmo nos lugares onde cobram caro, não prestam serviço de qualidade", declara Santanna. “Hoje a internet é concentrada nos grandes centros, de maior densidade populacional e de maior renda, o que exclui as cidades do interior do país, as regiões periféricas das grandes cidades e a classe C", enfatiza.

O presidente da Telebrás será um dos palestrantes do Conip 2010, que acontece de 25 a 27 de maio, no Centro Fecomercio, em São Paulo. Conforme o executivo, a ideia é abrir um espaço de debate para os que criticam a participação da estatal no PNBL.

“O objetivo do Plano é dispor de uma rede de fibras ópticas do governo brasileiro para oferecer aos provedores e a outras empresas uma rede neutra, de alta velocidade e baixo preço. O que, por conseqüência, força a redução do preço para o usuário final que hoje depende das medidas das três empresas que controlam a rede, Grupo Embratel Net, Telefônica e OI, e detém 86% da conexão de banda larga do Brasil”, afirma Santanna.
 
No Conip, o gaúcho irá ministrar a palestra "Plano Nacional de Banda Larga" às 11h30 da terça-feira, 25, além de participar do painel "Conversando sobre o Plano Nacional de Banda Larga", às 12h do mesmo dia, contando também com as presenças do diretor-executivo do Comitê Gestor da Internet no Brasil, Hartmut Glaser.