A paulista Freeddom firmou uma parceria com o UBA – United Banking for Africa para desenvolver e implementar uma solução mobile para transações financeiras na Nigéria.

A parceria fundou um consórcio que participou de uma licitação junto ao Banco Central Nigeriano (CBN).

Na concorrência, da qual participaram outros 32 consórcios, UBA e Freedom ficaram entre os quatro grupos autorizados a operar a licença de mobile payment no país a partir de abril deste ano.

“Com o aumento da produção petrolífera e, consequentemente, da circulação monetária no país, a Nigéria tornou-se um dos principais mercados do continente”, explica Adeyinka Adedeji, diretor responsável pelo projeto no UBA. “Contudo, a população de baixa renda enfrenta dificuldades de acesso bancário, já que comprovar endereço e renda ainda é um desafio no país”, complementa.

Segundo ele, devido ao mercado informal ser muito forte no país e o celular fazer parte do dia a dia de pelo menos 50% da população, mobile payment/transfer é a solução ideal para bancarizar uma parcela maior da sociedade nigeriana.

Atualmente, a população nigeriana tem por hábitgo improvisar formas de transferências financeiras, explica Adedeji.

“É comum que o motorista do ônibus que sai da capital rumo ao interior do país faça o papel de agência bancária e distribua o dinheiro às famílias, de acordo com seu itinerário”, comenta o diretor.

Para o executivo, a solução desenvolvida pela Freeddom, batizada de U-mo, será um facilitador para auxiliar na mudança deste quadro.

A ferramenta já roda como piloto desde 24 de janeiro para funcionários do banco e entrará em operação em abril.

O sistema funciona como uma conta virtual, em que o cliente pode efetuar depósitos em uma conta simplificada, sacar dinheiro em ATMs e fazer transferências para outras pessoas, mesmo que estas não sejam clientes do UBA ou do U-mo.

As transações são sempre “on time” e autorizadas pelo cliente por meio de senha pessoal criptografada e atrelada ao número do celular do usuário.

Na parceria, a Freeddom disponibiliza também um portal de relacionamento via web para os clientes acessarem as informações de suas respectivas contas.

“Em breve, os usuários também poderão contar com outros serviços que já estão em fase de desenvolvimento, como o pagamento de contas, recarga de celular e pagamento de impostos, todos pelo celular”, destaca o diretor de Negócios da companhia paulista, Guilherme Messiano.

O serviço estará disponível a todas as quatro operadoras locais. Conforme Adedeji, a previsão é que, em seis meses, cerca de quatro milhões de pessoas utilizem o serviço.

O executivo afirma, ainda, que há três soluções similares implantadas no continente africano sendo utilizados por mais de 20 milhões de pessoas, atualmente.

“Para nós, que somos especializados em soluções de mobile payment, ser provedores internacionais de uma solução que só tende a crescer no segundo continente mais populoso do mundo, faz parte de um momento importante na evolução da utilização do telefone celular para transações financeiras”, finaliza Messiano.

Fundada em 2004, a Freeddom oferece uma plataforma de transações eletrônicas que conta com recursos para pagamentos, private label, recargas, e compra/venda.