Com lucro líquido de  R$ 864,2 milhões no quarto trimestre de 2010, a Vivo atingiu o quádruplo do obtido no mesmo período do ano anterior.

O resultado mais recente, segundo a empresa, reflete desempenho operacional e resultado financeiro melhores assim como menores despesas com depreciação.

Segundo a empresa, o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) cresceu 20,9%, indo de R$ 1,387 bilhão nos três meses finais de 2009 para R$ 1,677 bilhão do último trimestre de 2010.

Conforme a empresa, isso se deu em função da “continuidade do crescimento da receita de serviços, especialmente dados e voz, conjugada com o controle dos custos de subsídio, comissões de venda, interconexão e melhoria contínua dos processos”.

A margem Ebitda saiu de 21,4% para 34,5%.

A empresa reportou receita operacional líquida de R$ 4,863 bilhões entre outubro e dezembro de 2010, uma elevação de 10,1% perante os R$ 4,415 bilhões do trimestre final do calendário antecedente.

A receita líquida de serviços subiu 12,5%, para R$ 4,566 bilhões, mas a de vendas de mercadorias declinou 16,7%, ficando em R$ 296,1 milhões.

Os custos operacionais totais aumentaram em 5,2%, alcançando R$ 3,185 bilhões no quarto trimestre do ano passado.

Em 2010 completo, a Vivo registrou lucro líquido de R$ 1,893 bilhão, contra R$ 878,1 milhões do exercício antecedente. A receita operacional líquida passou de R$ 16,637 bilhões em 2009 para R$ 18,105 bilhões no calendário seguinte.

A companhia chegou ao fim de 2010 com 60,293 milhões de acessos, evolução de 16,5% perante um ano antes. Do total, 12,634 milhões corresponderam a pós-pago e 47,659 milhões a pré-pago.