A matriz da Portobello

A Portobello, fabricante catarinense de pisos e revestimentos, acaba de atualizar sua infraestrutura de TIC com a adoção de um PABX que interliga diversos pontos de presença no país, por meio de uma rede IP.

A solução, da também catarinense Dígitro, agilizou a gestão do call center da companhia, que tem sede em Tijucas, a 50 km de Florianópolis, além de integrar e otimizar o tráfego de voz entre a matriz e diversas filiais regionais.

Com isso, os custos de telefonia reduziram, segundo Andréia Cipriani, coordenadora de Telemarketing da Portobello, especialmente em função da adoção do SmartCell, interface celular IP que pode ser ligada a qualquer ponto de uma rede, gerando economia em ligações de fixo para móvel.

Outro aplicativo implantado foi o Virtual Fone, que permite aos usuários acesso à agenda corporativa, programação de ramais e identificação de chamadas no computador.

“Também foi feita uma ampliação dos serviços no call center, garantindo maior flexibilidade à gestão com a introdução de ferramentas capazes de proporcionar a monitoração da qualidade do atendimento”, explica Andréia.

Conforme a coordenadora, a central anterior operava há mais de sete anos sem que o fornecedor oferecesse nenhuma solução nova.

“Isso nos motivou a procurar inovações tecnológicas no mercado”, ressalta ela.

Já o gerente Comercial da Dígitro, Emanoel Sampaio, destaca outros benefícios das soluções implantadas na Portobello.

“Os recursos  de gravação das chamadas, o monitoramento dos atendentes e o acesso a relatórios estatísticos permitem maior produtividade e melhor desempenho dos funcionários”, explica o executivo.

Agora, a fabricante de pisos e revestimentos catarinenses estuda ampliar o projeto junto à Dígitro.

O coordenador de TI da empresa de Tijucas, Daniel Baccin, afirma que está em análise a implantação da solução Dígitro FaleWeb, de VoIP, para possibilitar a efetuação de ligações para a empresa sem custos por parte de colaboradores em trânsito e também de parceiros.

“Outra providência analisada é a instalação de Posições de Atendimento remotas (PAs IP), pelas quais os agentes poderão trabalhar a partir de locais fora do site central do call center, utilizando a rede IP”, detalha Baccin.

Mais em TIC
Aliás, planos e projetos é o que não faltam à TI da Portobello: há pouco tempo, a companhia adotou o AEN - Ambiente Eletrônico de Negócios, da conterrânea Nexxera, para gerir seus processos financeiros.

A ferramenta integrou o sistema de gestão da fabricante de cerâmicas aos mais de 30 bancos de dados utilizados pelos fornecedores.

Com isso, a Portobello reduziu de 30 para quatro horas o tempo de processamento de entrada de notas de fornecedores, ganhando velocidade no recebimento das mercadorias, além de agilizar o trabalho de seus mais de dois mil colaboradores.

Com todos os módulos do AEN implantados, a companhia passou a gerenciar também rotinas de recebimento e cobrança, extratos bancários, contas a receber e pagamentos.

O contrato com a Nexxera prevê, ainda, service desk e field service, em operação 24x7 para assistência remota e local.

Santo de casa
Dígitro, Nexxera... A aposta da Portobello nos fornecedores de TI de Santa Catarina é evidente. Mais ainda se olhar um pouco mais para trás: a empresa também adotou, no começo do ano passado, o Microvix ERP, da joinvilense Microvix.

O software foi implementado em 104 lojas da rede de franqueadas Portobello Shop espalhadas por todo o país.

Com isso, todas as lojas passaram a ser integradas via Internet, dando aos franqueados acesso a um sistema de gestão integrado ao Oracle EBS da fábrica.

Além disso, a rede passou a contar com um simulador de preço de compra e venda, custo e margem entre franqueados e franqueadora.

O projeto também abrangeu o Microvix BI, que disponibilizou aos consultores da franqueadora informações sobre operações de compras, vendas e estoques de toda a rede, além de garantir à gerência da Portobello um dashboard de indicadores em tempo real.

Além da sede em Tijucas, a Portobello mantém dez fábricas, que atuam com produção média de 23,5 milhões de metros quadrados de revestimentos cerâmicos, vendidos para clientes dos cinco continentes.

O faturamento anual da companhia fica acima dos R$ 500 milhões.