Executivos da Copel (Companhia Paranaense de Energia) se reuniram na segunda-feira, 23, com investidores da Bolsa de Valores de Nova York. A meta foi chamar a atenção de interessados em participar dos projetos de ampliação dos negócios da empresa para fora do estado, muitos deles focados em tecnologia.

A estatal mantém ADRs (American Depositary Receipts) listadas na bolsa nova-iorquina desde Julho de 1997. Conforme o diretor-presidente Ronald Ravedutti, a empresa tem sido procurada por investidores e fundos de investimento estrangeiros, e este tipo de parceria é uma das apostas para expandir o nicho de atuação, que hoje foca geração, transmissão e distribuição de energia, além de dar os primeiros passos em áreas como a oferta de banda larga.

Neste campo, a Copel firmou um contrato com a Intelig, que irá usar a rede elétrica da companhia para oferecer Internet de alta velocidade. Outro acordo semelhante foi assinado com a AES Eletropaulo e outros três devem ser anunciados em breve.

Com estas parcerias, a meta da estatal paranaense é expandir sua infraestrutura de rede em 30% em todo o país dentro de dois anos. Atualmente, o sistema de transmissão da Copel conta com 1.913 quilômetros de linhas e 30 subestações.

Além da reunião com investidores globais e parceria com empresas de telecom, a ideia da companhia é também ampliar sua atuação por meio da participação em leilões do governo federal.

“O setor energético está recebendo investimentos significativos na implementação de uma infraestrutura forte no âmbito federal e estadual. Por isso, vamos ter toda a tranquilidade para continuar com essa política pelos próximos anos, o que traz segurança para os investidores”, explica o governador do Paraná, Orlando Pessuti, que também foi à Nova York.

Segundo o governante, já foi enviado à Assembléia Legislativa paranaense um projeto de lei que permitirá à Copel participar minoritariamente de outros empreendimentos, o que facilita construir novas alianças para expansão da presença no mercado.
 
TI no foco
Que a Copel é atenta à TIC, não é novidade: só este ano, a empresa investiu R$ 80 milhões em TI, em um projeto dividido entre dois consórcios, um focado em ERP, no qual participaram SAP, Ingram Micro, Core Technologies e CSC; e outro voltado a billing, que reuniu Elucid e Ação Informática.

Ambas iniciativas usarão software de banco de dados, servidores e storages IBM.

O novo ambiente de TI permitirá à Copel atender às normas e padrões exigidos pela Aneel para as quase 70 mil novas ligações de luz que realiza por ano.

O projeto foi desenvolvido já prevendo um crescimento de 50% na infraestrutura de TI ao longo dos cinco anos de ciclo de vida do contrato.