http://www.flickr.com/photos/aur2899/2773449446/sizes/m/in/photostream/

Um sistema 3G que reúne localização, informação e entretenimento para ônibus urbanos e intermunicipais está prestes a virar protótipo no Brasil.

A solução, composta de hardware baseado em plataformas de smartphones, com entradas para dispositivos de memória (USB, chip ou cartão) e tecnologia de comunicação 3G, é inspirada em um modelo europeu, mas enquanto aquele custa cerca de R$ 17 mil por ônibus, a versão nacional deverá sair por R$ 5 mil a unidade.

Trata-se do projeto “Sistema embarcado de informação ao usuário de transportes coletivos”, desenvolvido com apoio do Programa Fapesp - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE).

Conforme declarou ao Info Online o gestor do projeto, Paulo Roberto Tavares, o sistema permitirá dizer a localização exata de cada ônibus, seu percurso e tempo estimado de espera, facilitando a vida das empresas e usuários de transporte coletivo urbano.

Além disso, equipada com GPS, a solução também será útil em linhas rodoviárias mais longas, fornecendo, por exemplo, informações turísticas de cada destino de que se aproximar no trajeto entre uma cidade e outra.

Hoje, um equipamento semelhante já é utilizado no metrô e em determinadas linhas de ônibus de São Paulo. Com o novo projeto, segundo Tavares, o objetivo é massificar a produção da solução, especialmente devido ao baixo custo de fabricação.

Até agora, entretanto, nenhum contrato com fabricante foi anunciado.

Segundo Tavares, o novo equipamento seria composto de uma unidade de processamento, que ficaria instalada atrás do motorista; um painel de controle com display de mensagens, que também poderia informar sobre clima e permitir comunicação com as empresas de ônibus, o que facilitaria, por exemplo, informar ao condutor que vias utilizar ou as condições do trânsito; além de monitores de cristal líquido espalhados pelo veículo, permitindo a transmissão de conteúdo aos passageiros.

Para Tavares, o grande ganho do sistema é o incremento do uso que atualmente se faz de serviços similares já disponíveis no país. Segundo ele, a maioria destas ferramentas não conta com inteligência embutida, servindo, na maioria dos casos, somente à transmissão de publicidade.