A TIM informou na última terça-feira, 23, que está negociando uma parceria com provedores de conteúdo para oferecer serviços de TV por assinatura, em 2012, no Brasil.

De acordo com o site AdNews, a iniciativa da TIM é decorrente da aprovação do Projeto de Lei da Câmara nº 116, que confere ao mercado de TV a cabo a permissão de abrir seu sinal a empresas de telecomunicações nacionais e estrangeiras, mas com definições de cotas na  programação.

Com isso, a TIM e outras empresas de telefonia fixa estarão autorizadas para vender pacotes de TV paga, banda larga, combos e telefone.

Além disso, o projeto esclarece aspectos sobre a produção nacional, que com a nova lei passa a ter cotas, a partir das quais os canais deverão veicular, durante o horário nobre da televisão, três horas e meia por semana de conteúdo produzido no Brasil.

Conforme a Folha de São Paulo, a Agência Nacional de Cinema terá a função de fiscalizar o cumprimento de todas as metas de veiculação de conteúdos brasileiros e independentes, sendo essa determinação, muito criticada pela oposição no Senado, mas mesmo assim aprovada.

A nova  lei
De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, como as teles ficam liberadas para vender TV a cabo diretamente (sem precisar atuar por meio de empresas desse segmento), elas poderão oferecer o serviço em pacotes combinados e cobrá-los em uma conta só, ampliando os ganhos referentes à eficiência do serviço.

Além disso, o preço da TV por assinatura pode ter queda de até 30%, em comparação com o valor da aquisição do serviço separado.

Na prática, as empresas poderão oferecer os combos de TV paga, telefone e banda larga, como a NET já faz hoje, em parceria com a Embratel.

Entretanto, o projeto  mantém as teles fora do processo de produção de conteúdo.