Um grupo de 76 ONGs, sindicatos e associações de classe lançou nesta segunda-feira, 25, a campanha “Banda Larga É Um Direito Seu”.

Apensar de não mencionar nomes, o manifesto é uma defesa das posições do presidente da Telebrás, Rogério Santanna, atualmente em disputa com o  ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

Em texto divulgado no seu site, o movimento apoia o PNBL, mas critica “os rumos recentes tomados pelo governo, (que) reforçam o abandono da ideia de serviço público como concretizador de direitos e privilegia soluções sob uma lógica de mercado”.

A crítica parece ser uma menção indireta a posicionamentos de Paulo Bernardo, que vem defendendo uma revisão do papel da Telebrás no plano de difusão de banda larga do governo, atendendo a pressões das operadoras de telecomunicações.

Já Santanna está na outra ponta do cabo de força, com um discurso antagônico às teles e a promessa de incentivos a pequenos provedores de Internet como forma de difundir a banda larga.

No manifesto, as ONGs defendem os pontos de vista de Santana, pedindo a utilização da rede da Telebrás para promover a entrada de pequenos e médios provedores apoiados por incentivos estatais, além da entrada da estatal ressuscitada no mercado final.

Os signatários do manifesto foram um grupo variado que inclui desde a Comissão de Ciência e Tecnologia da OAB – SP e  a Associação Brasileira dos Usuários de Acesso Rápido até a Liga Brasileira de Lésbicas passando por organizações como UNE, CUT e o Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região.