Tamanho da fonte: -A+A

A Portugal Telecom e a Telefónica deverão discutir mais a oferta da companhia espanhola de € 5,7 bilhões pela participação da PT na Vivo.

Conforme declarou Amalia Morris, diretora para Investimentos do Brandes Investment, terceiro maior acionista da companhia portuguesa, em um comunicado por e-mail, a oferta "poderá pavimentar o caminho para uma resolução que será benéfica para as empresas".

O Brandes Investment Partners tem participação de 7,89% na PT. Já a Telefônica, que também é acionista da operadora portuguesa, detém a maior participação, com 12%.

Esta semana, a empresa espanhola chegou a anunciar que iria se reunir com o conselho administrativo da PT, buscando apoio para sua oferta, já recusada pela cúpula da operadora.

Se as negociações aconteceram, não convenceram o Brandes, que já declarou não apoiar a proposta da Telefónica.

Conforme o e-mail de Amália, embora a oferta atual represente um prêmio significante sobre o preço do mercado, não reflete a estratégia de longo prazo e o valor operacional da Vivo, cujo controle é dividido entre Telefônica e PT.