A Anixter, especializada em soluções de comunicação, segurança e cabos elétricos e eletrônicos, lança um programa de distribuição de equipamentos especificamente focado no setor de portos.

Uma aposta baseada em dados que apontam o aquecimento deste mercado e de seus investimentos em diversas áreas: segundo estudo do BNDES, os portos brasileiros receberão R$ 17,8 bilhões em aportes entre 2011 e 2014.

Deste total, 21% deverão ser destinados à modernização e ampliação da capacidade dos terminais, 25% ao aumento da oferta de movimentação de contêineres, 28% à construção de portos públicos e 26% para investimentos do PAC.

“Fornecemos cabos especiais utilizados nos equipamentos de terminais e portos”, explica Paulo Garutti, vice presidente de Soluções Industriais da Anixter para o Cone Sul. “Após seis meses de pesquisa, enxergamos nesse setor uma carência de fornecimento de produtos e nos concentramos nessa oportunidade, criando estratégias para aproveitar essa grande fatia”, complementa.

Segundo ele, a expansão do mercado portuário no Brasil vai ampliar as oportunidades, uma vez que, daqui a quatro anos, haverá um aumento dos piers de 7 Km para 12 Km de extensão.

Tudo, e pra já!
Para atender a este mercadão, a Anixter partiu para uma mudança na estratégia de fornecimento, começando pela resolução da carência de atendimento completo e imediato de pedidos.
 
“Muitas vezes as empresas não tem todos os itens disponíveis para fornecimento imediato. Alguns cabos mais específicos, por exemplo, podem levar até quatro meses para chegar ao estoque”, conta Garutti.

Isso costumava gerar inconvenientes, segundo o gerente, uma vez que a maioria desses equipamentos são de “extrema importância para o funcionamento ininterrupto das máquinas” dos portos.

Cada porto, um estoque
A solução foi a criação de um programa que, de certa forma, personaliza o atendimento a cada porto.

“O cliente nos diz quais cabos são mais importantes e então nós procuramos manter um estoque especial para ele”, afirma Garutti.

Regionalizar para aproximar
Outro ponto forte da estratégia de atendimento ao mercado portuário será a regionalização da companhia, segundo explica Marcelo Rodrigues, gerente de Contas da divisão de Soluções Industriais da Anixter.

“Nossa regionalização já está em andamento. Nossos estoques serão locais, o que aumentará a agilidade na entrega dos produtos", ressalta ele.

Nova lei de segurança, ainda mais mercado
Ainda conforme Rodrigues, outra oportunidade para a Anixter será a mudança da lei de segurança nos portos.

De acordo com a Norma de Segurança dos Portos (ISPS Code - International Ship and Port Security), regulada pelo IMO (International Maritme Organization), nos próximos anos todos os terminais do mundo deverão ter sistema de segurança dotado de câmeras de CFTV termo-visoras, de visão noturna, entre outros equipamentos.

No Brasil, tais normas serão fiscalizadas pela Conportos (Comissão Nacional de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis), e a Anixter já atende à demanda.

Sul e Sudeste já são cases
"Nós já distribuimos produtos para alguns portos nas regiões Sul e Sudeste e pretendemos expandir nossa área de atuação até o final do ano”, conta Garutti. “Temos know-how para oferecer todo o equipamento necessário para a infraestrutura dos portos e terminais de conteinêrs. Esse setor vai nos abrir muitas portas”, finaliza.

Especializada na distribuição de produtos de comunicação e segurança, fios e cabos elétricos e eletrônicos, fasteners e outros componentes, a Anixter tem sede nos EUA e subsidiárias, que atendem a empresas presentes em 50 países.

As receitas da companhia fecharam em US$ 5,5 bilhões em 2010.