O presidente da Telefônica, Antonio Carlos Valente, voltou a defender o adiamento do leilão das redes 4G no Brasil.

Segundo o jornal Valor Econômico, o executivo teme que os investimentos na quarta geração da telefonia móvel (4G) comprometam a expansão, ainda em curso, das redes de celular da terceira geração (3G).

Em entrevista ao jornal, Valente declarou que o governo precisa abrir as discussões sobre leilão das frequências de 2,5 gigahertz (GHz) que serão utilizadas na nova tecnologia.

Por determinação do governo, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) tem prazo até abril de 2012 para leiloar as licenças de quarta geração.

O objetivo do governo é ter os novos serviços disponíveis até 2014, pelo menos, nas 12 cidades que vão sediar os jogos da Copa do Mundo.

“Devemos ter a preocupação com os eventos esportivos, mas devemos fazer isso de uma maneira ordenada”, disse Valente, ao Valor Econômico.

As ponderações do presidente da operadora no Brasil estão relacionadas à capacidade de investimento da Vivo, empresa do grupo, que ainda implementa redes 3G junto às demais operadoras do país.

Valente não é o único a defender o adiamento.

Há duas semanas, o presidente da TIM, Luca Luciani, defendeu o adiamento do leilão das frequências. Proposta que foi rebatida na mesma semana pela operadora Claro.

Leia a matéria completa do Valor (para assinantes) nos links relacionados abaixo.