UOL Diveo despontou na frente em todos os quadrantes. Foto: Pexels.

A UOL Diveo está bem na foto quando o assunto é serviços de nuvem híbrida prestados no Brasil: a empresa é a única a ser classificada como uma líder nos seis quadrantes de uma pesquisa sobre o tema feita pela TGT Consult em parceria com a gigante ISG.

A IBM ficou como um líder em cinco. Equinix, Tivit e Unisys são nomeados como líderes em três quadrantes, enquanto a Dedalus Prime é líder em dois. 

Ascenty, Atos, Capgemini, CenturyLink, DXC, ISH Tecnologia, Locaweb Corp. & Cluster2GO, TCS e T-Systems são líderes em um dos quadrantes.

A pesquisa divide o mercado em seis categorias: serviços gerenciados para grandes contas, serviços gerenciados para médias empresas, management hosting, container as a Service, segurança e colocation.

Os players são distribuídos em quatro grupos de acordo com seu posicionamento em dois vetores: "atratividade do porfólio" e "força competitiva". 

O número de participantes totais varia de acordo com a categoria, assim como o número de líderes. Em um quadrante, foram 18 analisadas, das quais sete definidas como líderes. Em outro, foram 11, com três líderes.

A ISG não abre toda a pesquisa (quem estiver curioso, tem que pagar), só alguns dados gerais, então não dá para entrar em detalhes sobre os posicionamentos e os participantes em todos os quadrantes. 

Assim, não dá para saber se a UOL Diveo entrou raspando em algum quadrante, ou está especialmente na frente em outros. De todas formas, a companhia ficou nas cabeças em todas as áreas, o que sinaliza sucessono movimento de fundo observado pelo estudo, que é uma migração de serviços para nuvem pública.

De acordo com o estudo, existe uma “alta na migração de data centers tradicionais para centros de dados de nuvem híbrida ou privada” e a grande maioria já tem pelo menos dois provedores desse tipo de serviço.

O mercado de serviços gerenciados está se expandindo no Brasil, com Amazon, Microsoft, IBM e Google puxando as vendas por meio de parceiros, diz o relatório.

"Os provedores de TI querem se reposicionar como provedores de serviços digitais usando a 'nuvem' como palavra-chave em todas as suas comunicações e apresentações de vendas", afirma Esteban Herrera, sócio e líder global da ISG Research.

Nesse meio tempo, o mercado de hospedagem gerenciada no Brasil está se consolidando, com o negócio de hospedagem, tradicionalmente um dos fortes do UOL, está diminuindo em importância.

O sucesso chama ainda atenção porque a UOL Diveo tem uma trajetória algo conturbada nos últimos anos, marcada por viradas de posicionamento.

Entre 2000 e 2012, a empresa fez uma série de aquisições, comprando meia dúzia de empresas com negócios em áreas tão diferentes como serviços de TI, soluções Oracle, testes, monitoramento, meios de pagamento, supply chain, NF-e e SPED.

O ponto alto da movimentação foi a compra da Diveo, uma companhia com forte presença no que então era o mercado de hosting, em um negócio de R$ 693,5 milhões anunciado no final de 2010. 

No lado de TI, as aquisições em série dos últimos anos não foram consolidadas em uma oferta competitiva frente a gigantes como IBM, Tivit, HP ou Oracle, ou mesmo as ofertas de nicho de Totvs, Neoris e outros. 

O lado hospedagem mudou radicalmente com o surgimento de novos players de data center como Ascenty ou Odata, além da entrada agressiva no país de AWS, Google e Azure.

A UOL Diveo não ficou parada. Em 2016, comprou a Dualtec, companhia pioneira no mercado de gerenciamento de ambientes multicloud no país. Outros players, como a Tivit, fizeram movimentos parecidos, de olho justamente em ter tecnologia que permitisse trabalhar movendo cargas dos centros próprios para as grandes nuvens públicas.

No começo de 2018, a empresa deixa de atuar com sua rede própria de telecomunicações, em um passo para focar em projetos de multicloud, big data e analytics.  

Mais recentemente, a companhia anunciou ainda um acordo com o Alibaba Cloud, braço de computação em nuvem da gigante chinesa Alibaba.

Segundo a reportagem do Baguete pode apurar, o está entrando discretamente no mercado brasileiro, no qual está presente há pelo menos um ano. O UOL Diveo é a parceria de maior porte anunciada até agora.