Baguete
InícioNotícias> Volkswagen coloca carros na Azure

Tamanho da fonte:-A+A

NUVEM

Volkswagen coloca carros na Azure

Maurício Renner
// terça, 02/10/2018 12:18

A Volkswagen fechou um acordo com a Microsoft para usar a nuvem Azure e a plataforma de Internet das Coisas Edge como a base da sua plataforma de computação em nuvem, pela qual a montadora alemã deve armazenar dados e oferecer serviços para os motoristas.

Pé na estrada, mas dados na nuvem. Foto: Pixabay.

O plano é manter o motorista conectado com produtos como o Skype, transformando o carro em um meio pelo qual consumir diferentes produtos - não tão diferente de um celular.

“Estamos desenvolvendo um ecossistema com o nosso conhecimento de software e o de parceiros. Nós vemos o carro evoluir em um hub central da Internet das Coisas”, explica Heiko Huettel, chefe da divisão de carros conectados da Volkswagen.

Recentemente, a Volkswagen lançou o Volkswagen We, com a promessa de acelerar o “desenvolvimento de um ecossistema com o seu próprio know-how sobre software e a força de parceiros externos”. Isso com a meta de “fazer o carro o centro da Internet das Coisas” e um “serviço digital sobre rodas”.

A Volkswagen já tem algumas aplicações orientadas com essa visão, pelo menos na Europa. 

É possível pagar o estacionamentos em 20 cidades da Alemanha usando um app da marca e autorizar uma terceira parte a fazer uma entrega direto no seu porta-malas em Berlim.

Outro objetivo da montadora é que, até 2020, todos os seus carros estejam conectados. Hoje, apenas 1,5 milhão o está. Vale lembrar que a montadora fabrica cinco milhões de automóveis por ano.

A retórica veio com um cheque junto: 3,5 bilhões de euros a serem investidos até 2025.

Durante o lançamento do We, a Volkswagen anunciou também uma nova “arquitetura de TI” para os carros, unificando os diferentes programas que rodam dentro do carro (até 70 em cada veículo) em alguns poucos computadores de bordo com uma linguagem de programação só.

Com hardware e software separados, a Volkswagen terá mais facilidade para fazer updates contínuos do sistema, algo que a Tesla já faz e que é indispensável para ter carros autônomos funcionais nas ruas.

(Aliás, quem quiser fazer um update nas peças do seu carro pode conferir o nosso patrocinador www.autopecas24.pt).

Esse deve ser o passo final da estratégia da VW: afinal, quem vai conseguir usar todos esses apps se ainda tiver que dirigir ao mesmo tempo?

Recentemente, a empresa entrou também no segmento de compartilhamento de carros. 

O que deve começar em Berlim no ano que vem com dois mil carros elétricos e, em 2020, já deve estar disponível em outras cidades na Europa e alguns alvos selecionados na América do Norte.

As frotas de carros estacionados pelas cidades e disponíveis para motoristas sob demanda já são uma realidade em muitas cidades americanas, onde as primeiras iniciativas do tipo começaram há mais de 10 anos.

Curiosamente, na mesma semana em que a VW anunciou seus planos para criar um ecossistema digital com compartilhamento de carros, a Toyota, montadora japonesa com a qual os alemães disputam a liderança do mercado mundial, anunciou um investimento de US$ 500 milhões no Uber, uma empresa que está fazendo as duas coisas.

Outras montadoras também estão se mexendo. Recentemente, a Ford construiu um data center próprio para armazenar dados de carros conectados nos Estados Unidos, com executivos da empresa prevendo necessidade de armazenamento de 200 petabytes até 2021, quase 20 vezes mais que os atuais 13 petabytes.

Maurício Renner