Projeto no novo prédio da Unisinos em Porto Alegre. Foto: divulgação.

A Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) decidiu apostar suas fichas em Porto Alegre, anunciando um investimento de R$ 250 milhões na ampliação das suas instalações na capital gaúcha.

Segundo notícia da Zero Hora, a obra, que começa no ano que vem, levará 22 meses para ser concluída e será entregue no segundo semestre de 2017.  

Com a nova estrutura, o campus Porto Alegre terá capacidade para até 8 mil alunos — mais que o dobro do número atual de estudantes fora da sede em São Leopoldo.

Hoje, a Unisinos tem operações em Canoas, Caxias do Sul e Bento Gonçalves, mas a grande maioria (o número exato não é divulgado no relatório de informações da instituição) dos 30 mil alunos ainda estuda no campus de São Leopoldo, inaugurado no começo dos anos 70.

A estratégia da Unisinos de diversificar sua presença começou em 2006, quando foi aberta a escola de Design em Porto Alegre. Nos anos seguintes, a universidade abriu a oferta de cursos de MBA na Serra Gaúcha e em Rio Grande. 

A nova oferta de graduação, no entanto, é concentrada em Porto Alegre, onde são oferecidos 14 cursos de graduação da universidade. A ideia agora é chegar a 25.

O plano de investimento anunciado hoje é um salto relativo a iniciativas do passado. Em 2011, a Unisinos falava em um plano de expansão de R$ 60 milhões até 2020 na capital gaúcha.

Os movimentos da Unisinos nos últimos anos representaram um rompimento com uma espécie de “pacto de cavalheiros” das maiores de instituições de ensino superior do Rio Grande do Sul no sentindo de não “invadirem o campinho alheio”.

O novo campus em Porto Alegre amplia a capacidade de competição com a PUC-RS, até agora referência de ensino superior particular na capital.

Ao longo dos últimos anos, a instituição jesuíta fez um esforço por aumentar seu mindshare na capital gaúcha, apoiando iniciativas como o Porto Alegre.cc, uma espécie de forum colaborativo para moradores da cidade.

A motivação do movimento é clara para qualquer um que tenha frequentado os bancos de ensino da Unisinos. 

Entre o final dos anos 90 e começo dos anos 2000, a instituição recebia uma grande quantidade de estudantes do interior do Rio Grande do Sul, muitos dos quais vinham diariamente a São Leopoldo, na região metropolitana.

Com o crescimento da oferta de ensino superior, muitos optaram por estudar mais cerca de casa, em instituições que desde então aumentaram muito de tamanho, como a Feevale, em Novo Hamburgo; a UCS , em Caxias; ou a UPF, em Passo Fundo, para citar alguns exemplos.

Agora, um desdobramento ainda por ser visto do movimento é o que a Unisinos fará com o seu  campus em São Leopoldo, com mais de 200 mil metros de área construída espalhado por 95 hectares (a título de comparação, o espaço em Porto Alegre tem 3,5 mil metros de área em 13 hectares).

Nos últimos anos, a instituição tem dedicado uma área crescente do campus para a instalação de empresas. 

A fábrica de chips da HT Micron e o centro de desenvolvimento e suporte da SAP se instalaram em áreas dentro do campus, depois de ocuparem prédios da própria universidade de maneira temporária.