META

Amazon quer zerar uso de Oracle

03/08/2018 06:34

O objetivo seria mover as aplicações que ainda rodam em bancos de dados Oracle para a AWS até 2020.

Será que a Amazon consegue se livrar da Oracle?

Tamanho da fonte: -A+A

A Amazon quer parar de usar softwares de bancos de dados da Oracle até o primeiro trimestre de 2020.

Pelo menos, é o que garante uma matéria da CNBC, citando fontes internas da companhia. 

O objetivo seria mover as aplicações da gigante de e-commerce que ainda rodam em bancos de dados Oracle para a AWS, onde já está boa parte da infraestrutura da Amazon.

Uma fonte ouvida pela CNBC afirma que já faz algum tempo que a Amazon não desenvolve nada novo usando banco de dados da Oracle.

De acordo com as fontes ouvidas pela CNBC, o principal problema é que as aplicações da Oracle não escalam da maneira como a Amazon precisa.

Em nota, a Oracle rebateu as fontes da CNBC e disse que a Amazon gastou US$ 60 milhões em software de banco de dados e analítico há um ano.

Não que os sistemas da AWS sejam a prova de bala: durante uma ação de descontos no último mês nos Estados Unidos, o site saiu do ar algumas vezes.

O CTO da Oracle, Larry Ellison, não costuma perder uma chance de dizer que concorrentes como Salesforce.com, SAP e Amazon usam tecnologia da Oracle.

A briga com a AWS, no entanto, é especial. 

Com a SalesForce e a SAP a Oracle compete em aplicações empresariais em mais ou menos pé de igualdade, mas a AWS é um competidor muito mais recente que assumiu a liderança na nuvem pública pelo que muitos analistas avaliam ser uma dormida no ponto da Oracle.

Além da competição na nuvem, a AWS lançou em 2014 o banco de dados relacional Aurora, que já emplacou clientes como Expedia, GE e Verizon.

Recentemente, o Gartner cortou pela metade o  número de empresas analisadas no seu Quadrante Mágico para Infraestrutura como Serviço (IaaS).

AWS e Microsoft estão disparadas na frente na área de líderes, seguidas de longe pelo Google.

Alibaba Cloud, Oracle e IBM estão todos embolados na categoria players de nicho do Quadrante do Gartner.

A Oracle aposta na combinação de todo o seu conjunto de nuvem, com aplicativos, dados, plataforma e infraestrutura oferecidos no modelo de serviço para ganhar mercado em relação aos líderes do segmento, mais fortes no segmento de infraestrutura.

A empresa diz que está dando certo, mas já não é possível saber com certeza, uma vez que a Oracle recentemente deixou de publicar por separado os números dos negócios de  SaaS, PaaS e IaaS, e também de licenças vendidas na nuvem e on premise.

A Oracle justificou o movimento dizendo que era difícil manter a separação em um momento em que os clientes tem adotado uma abordagem híbrida, mas a movimentação foi entendida como uma forma de esconder o jogo sobre o progresso lento na nuvem.

Embalada pela AWS, cujas vendas cresceram 49% no último semestre, a Amazon passou a Alphabet e se tornou a segunda maior empresa com ações abertas no mundo.

Veja também

NUVEM
Todos contra AWS

O motivo é um contrato de computação em nuvem de US$ 10 bilhões do Péntagono.

ERP
Positivo: suporte Rimini para Oracle

A estratégia é utilizar o suporte terceirizado nos próximos cinco anos.

NUVEM
BR Distribuidora: SAP na AWS

A empresa foi listada entre 20 grandes empresas clientes da SAP em todo mundo que fizeram a mesma opção.

CLOUD
Makro migra para nuvem Oracle

A plataforma está em processo de homologação das primeiras ondas.

NUVEM
Fórmula 1 migra para AWS

A Fórmula 1 vai migrar a maior parte de sua infraestrutura de data centers físicos para a AWS.

COMPETIÇÃO
Oracle usa SaaS para alavancar IaaS

O setor é liderado pela AWS, com 44,2% do mercado. A lista segue com Microsoft, Alibaba e Google.

FINTECH
Pessin, ex-B2W, está no C6Bank

Executivo é mais um reforço da fintech, que está contratando pesado no mercado.

COMANDOS
Morais troca Schneider por AWS

Morais estava há pouco mais de dois anos na Schneider Electric, de onde veio da Bematech.