MÃO DE OBRA

Le Wagon: pague o curso quando tiver um emprego

05/03/2020 15:57

Mais uma instituição adota o modelo Income Share Agreement (ISA) para pagamento.

Aprenda a programar agora, pague quando puder. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A rede de escolas de programação francesa Le Wagon adotou o modelo de Income Share Agreement (ISA) para uma leva de cursos no Brasil.

Uma tendência em alta, o ISA significa que o aluno faz o curso, mas só paga quando tiver encontrado um emprego acima de determinada faixa salarial.

No caso da Le Wagon, um valor de 15% a 18% de seu salário, quando esse for acima de R$ 3 mil. 

Caso essas condições não sejam atendidas em um prazo de cinco anos, a dívida deixa de existir. 

A Le Wagon pretende formar 100 profissionais no Brasil por meio do ISA, que vale para cursos presenciais de desenvolvimento web em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte a partir de abril.

A formação será oferecida em nove semanas (intensivo) ou 6 meses (meio-período).

“O mercado de trabalho está extremamente deficitário em perfis de programadores e, por isso, queremos democratizar essas profissões do futuro, derrubando as barreiras financeiras”, afirma Mathieu Le Roux, co-fundador do Le Wagon na América Latina.

O modelo de financiamento é também relativamente seguro para a Le Wagon. Ao oferecer uma formação “grátis”, a empresa assegura uma grande procura, podendo selecionar bons alunos, com uma taxa de êxito potencial alta.

Presente em 38 cidades e 20 diferentes países ao redor do mundo, a multinacional francesa afirma ter um índice de recolocação profissional após três meses na faixa dos 90% entre 7 mil formados. No Brasil desde 2016, a empresa formou 500 alunos.

Outra prova que o modelo tem potencial no Brasil é que investidores estão colocando dinheiro para valer nele.

Na semana passada, a Trybe, uma escola de formação em desenvolvimento de software baseada no modelo ISA fundada há seis meses levantou nada menos que R$ 42 milhões.

A empresa tem a meta de fechar 600 alunos formados até o final do ano. A Trybe começa a cobrar os alunos depois que eles obtém um salário de R$ 3,5 mil.

A Trybe teve 4,8 mil inscrições de pessoas interessadas em estudar na turma de janeiro, porém menos de 100 delas foram aprovadas, uma taxa de ingresso similar à de processos seletivos de universidades públicas. 

Até 2021, a startup, que atualmente tem hubs em Belo Horizonte, São Paulo, Itajubá e Florianópolis, além de operar em mais 12 cidades na modalidade sem hub, projeta alcançar a marca de 3 mil estudantes.

Veja também

DEVS
Recém fundada, Trybe levanta R$ 42 milhões

Startup foca em formação de desenvolvedores de software, um ramo para lá de quente.

NUVEM
Instituto Federal do Piauí usa AWS com Embratel

Instituição é uma das primeiras implementações da mega licitação do ano passado.

SAÚDE
Hisnëk recebe aporte de R$ 1 milhão

Terceira rodada foi liderada por Claudio Haddad, um dos fundadores do Insper.

MERCADO
Unicórnios no Brasil

Startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão estão tornando mais frequentes no país.

EDUCAÇÃO
FIA: cursos online com UOL EdTech

Empresa da UOL cuida da presença online e da gestão de instituições de ensino.

CARNAVAL
Indústria 4.0 é tema de escola de samba

Paulistana Rosas de Ouro desfilará com o enredo Tempos Modernos.

TACADA
Datamars usa LMS da Apecatus

Contrato com gigante suíça dobra numa tacada só a base de usuários dos gaúchos.

EDUCAÇÃO
Ironhack tem novo gerente geral

Alexandre Tibechrani substitui Tiago Mesquita, que foi para a Creditas.

SEM FILA
Ciasc cria matrícula on-line em Santa Catarina

Meta é que a maioria dos pais não precise mais ir na escola para matricular o filho.

CHANCE
Singularity University tem curso em Bento Gonçalves

Formação de três dias e meio na Serra Gaúcha custa módicos US$ 7,499.

INTERNACIONAL
Artigo da UFRGS se destaca na Science

Publicação está entre as 5% com maior atenção na revista científica.

INOVAÇÃO
Feevale abre parque em Porto Alegre

Universidade de Novo Hamburgo fez um investimento de peso na capital do estado.

EDUCAÇÃO
DreamShaper recebe aporte de € 2 milhões

A DreamShaper foi criada em Portugal e atende a 1 mil professores no Brasil.