Rodrigo Parreira, CEO da Logicalis Latin America.

A Logicalis, multinacional de serviços de tecnologia da informação e comunicação, comprou 30% na Kumulus, uma startup paulista especializada em serviços de nuvem e gerenciamento de dados.

Fundada em 2017, a Kumulus tem 80 funcionários, é sediada em Campinas e trabalha com as nuvens da AWS e Microsoft. 

Em seu site, a empresa mostra clientes como Vivo, Santander, Laureate e Kopenhagen.

Os fundadores da Kumulus são o CTO Marcelo Cauduro, que trabalhou com banco de dados na Redecard, Immetrics e IBM e o diretor de estratégia e novos negócios, Thiago Caserta, com passagem por empresas como Microsoft, T-Systems e IBM.

Completam a gestão da startup o CEO é Thiago Iacopini, ex-diretor de TI da DataEX, uma empresa especializada em banco de dados, com passagens pelas áreas técnicas da Raizen, Danone e Sul América e o CFO Jose Vasconcelos, ex-controller da Ascenty.

“A expertise da Kumulus em migrações de dados para a nuvem de sistemas como ERP, CRM e sistemas legados, reforçam a proposta de valor da Logicalis de acelerar a transformação digital dos seus clientes e cujo elemento central é exatamente a transição para a nuvem”, diz Rodrigo Parreira, CEO da Logicalis Latin America.

É justamente pelo motivo que cita Parreira que companhias com soluções e conhecimento em migração de nuvens, as chamadas "brokers de nuvem", são um ativo quente há anos.

Essa é a segunda compra de uma empresa do tipo pela Logicalis. Em 2017, a companhia levou 51% da participação acionária da NubeliU, empresa especializada em projetos de computação em nuvem baseados em OpenStack criada por dois ex-colaboradores do Mercado Livre. 

Muitas empresas grandes também tem optado por comprar esse tipo de companhia, visando dar um gás no seu business nuvem.

Em outubro do ano passado, a Claro comprou 40% da Ustore, uma startup pernambucana com forte presença no campo de soluções para infraestrutura na nuvem,  a base tecnológica dos chamados ambientes multicloud.

Em 2016, a UOLDiveo adquiriu a Dualtec foi uma das primeiras empresas no Brasil a se posicionar como uma “cloud broker” e uma referência em OpenStack.

A Tivit fez um movimento igual meses depois, comprando a startup mineira One Cloud. Em 2018, foi a vez da Locaweb adquirir a sua startup de multicloud, com a compra da Cluster2Go.

A Logicalis entrou forte no Brasil em 2008, com aquisição de uma participação majoritária na Promon Tecnologia, já na época uma empresa importante, com um faturamento de US$ 140 milhões em 2007. A Promon era a maior parceira Cisco no país.

A multinacional tem uma presença importante na América Latina, tendo uma receita líquida de US$ 640 milhões na região no seu último ano fisca, um aumento de 19% frente ao período anterior, em que já havia crescido 26,8%.

O Brasil, por sua vez, obteve R$ 1,5 bilhão de receita – um crescimento de 36% frente ao ano anterior.