Fechada do Ceitec na Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre.

O Ceitec, estatal de fabricação de chips sediada em Porto Alegre, pode estar com os dias contados.

De acordo com o Estadão, a companhia, junto com a Valec, do setor de ferrovias, deve ter as portas fechadas até março, quando todos os funcionários serão demitidos e os ativos vendidos.

Ainda segundo o Estadão, a chamada liquidação deve ser aprovada pelo conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), colegiado formado por ministérios e bancos públicos, além da Presidência da República, em uma reunião em fevereiro.

Embora tenham entrado nas empresas por meio de concurso público, os empregados serão demitidos, pois, com a liquidação, as atividades das estatais serão encerradas. 

A opção pela liquidação ocorre porque não há interesse do mercado em comprar essas companhias, o que inviabiliza uma tentativa de privatização, afirma o jornal paulista.

A informação do jornal não tem fonte e o novo governo liderado por Jair Bolsonaro já recuou de decisões, mesmo as anunciadas pelo próprio presidente, em algumas ocasiões.

No caso do Ceitec, no entanto, parece seguro apostar que a estatal está realmente com os dias contados. 

Desde a campanha eleitoral até o discurso de posse, reduzir o número de estatais, principalmente as que não geram recursos, tem sido uma constante nas afirmações de Bolsonaro.

O Ceitec tem exatamente esse perfil: parte da política industrial dos governos petistas para a área de semicondutores, a empresa existe por meio de subsídios de Brasília, que totalizam desde 2008 a cifra R$ 1,08 bilhão, dos quais R$ 400 milhões foram na construção e outros R$ 680 milhões em outros investimentos e custeio.

A empresa acumulou só R$ 16 milhões de receita desde 2012, quando começou a vender chips. O prejuízo acumulado desde 2009 é de R$ 42,6 milhões.

Em 2017, o Ceitec cresceu 16%, para um faturamento de R$ 4,6 milhões, e reduziu seu prejuízo pela metade, para R$ 23 milhões, de acordo com o balanço. A empresa nunca operou no azul, no entanto.

Os planos de futuro passavam por se tornar um grande fornecedor de iniciativas do governo como os passaportes brasileiros, o Registro Civil Nacional (RCN) e o Sistema de Identificação Automática de Veículos (Siniav).

O novo ministro da Economia, Paulo Guedes, é um liberal convicto e não tem apreço algum por estratégias de política industrial e participação do estado na economia que justificaram o investimento no Ceitec na última década, ou possivelmente pagar mais caro por um produto nacional.

O negócio de semicondutores tem um custo fixo alto: o Ceitec tem quase 200 empregados, dos quais quatro são pós-doutores, 10 doutores e 46 tem mestrado. O salário médio é R$ 8,6 mil.

A verdade é que o Ceitec está mais ou menos à deriva desde o impeachment da presidente Dilma e a crise econômica, quando sumiram o incentivo político e o dinheiro para a ideia de  transformar o Brasil em um polo de desenvolvimento de semicondutores (Eike Batista chegou a anunciar planos bilionários na área).

Mesmo durante as administrações petistas, que federalizaram a estatal em 2008, colocando-a sob a alçada do Ministério de Ciência e Tecnologia, já havia discussões mais ou menos abertas sobre o propósito de seguir investindo.

Em 2013, foi discutida publicamente a possibilidade de venda de parte de empresa, deixando o governo como sócio de uma PPP gerida pela iniciativa privada.

Ainda em 2009, no entanto, o então presidente do Ceitec, Eduard Weichselbaumer, disse publicamente que a empresa só seria bem sucedida se fosse privatizada.

Weichselbaumer, um executivo alemão que foi o único profissional vindo da iniciativa privada para comandar o Ceitec, acabou saindo da empresa em 2010, em meio a choques com o Ministério de Ciência e Tecnologia.

A reportagem do Baguete procurou Weichselbaumer pelo Linkedin na semana passada, para saber que perspectiva ele via para o futuro do Ceitec. O alemão, que segue residindo em São Francisco, onde atua no setor de eletroeletrônica, não teve papas na língua.

“É uma vergonha o que foi feito com o Ceitec nos últimos 10 anos. Administrar uma empresa não é tarefa para burocratas, professores universitários ou funcionários de ministério que querem um grande salário por nada. Essa é uma indústria especializada e altamente competitiva”, disse Weichselbaumer. “Sem um plano viável, essa instituição só pode ser fechada”.