Rafael Olmos e Marcelo Lombardo, fundadores da Omie. Foto: divulgação.

A Omie, companhia de software de gestão na nuvem, anunciou a aquisição da Mintegra, plataforma da F5 Tecnologia que oferece um hub de integração para marketplaces e plataformas de e-commerce.

O valor da transação não foi divulgado pela companhia. 

A plataforma da Mintegra faz a integração e total gestão dos anúncios nos principais marketplaces e lojas virtuais do mercado, automatizando os fluxos de controle de estoque e geração de pedidos de venda para cerca de 500 clientes.

Entre as principais soluções integradas, estão MercadoLivre, Magazine Luiza, Amazon e as plataformas da B2W (Americanas, Submarino, ShopTime) e da ViaVarejo (Extra, Pontofrio, Casas Bahia). 

Já as principais plataformas de e-commerce são Shopify, Magento, WooCommerce, Tray, LojaIntegrada e NuvemShop.

"Há mais de dois anos iniciamos a parceria com a Omie e, desde o início, houve uma sinergia entre as empresas. Temos certeza que juntos vamos evoluir ainda mais a ferramenta, tornando a solução ainda mais completa e facilitando a gestão de vendas online para nossos clientes", conta Flávio Nobile, cofundador da Mintegra.

Com a compra, a Omie traz para o seu time os profissionais da Mintegra e tem planos de soltar uma versão que integra o sistema com mais plataformas de e-commerce e marketplaces, como VTEX e Olist, além de soluções de frete e logística.

"Estamos muito satisfeitos em anunciar a aquisição do Mintegra, este é mais um passo que estamos dando para tornar nosso software cada vez mais completo e conectado ao mundo” afirma Marcelo Lombardo, CEO da Omie.

A solução Mintegra já está disponível no marketplace de soluções da Omie, que conta com mais de 100 softwares integrados de diversas categorias, como softwares para clínicas médicas, hotéis, indústrias e varejo.

"Aliar nosso software à Mintegra potencializa a produtividade, gerando economia de tempo e a integração de dados, além de simplificar o acesso aos canais de e-commerce", destaca Rafael Olmos, CTO e cofundador da Omie.

A aquisição é a primeira já feita pela Omie, uma mudança que acontece em meio a um reajuste mais amplo do foco da empresa.

Em abril deste ano, em meio aos dias mais confusos da pandemia do coronavírus, a companhia anunciou a uma grande "pivotagem", junto com a demissão de 134 funcionários, cerca de um terço do total.

A empresa anunciou que passaria a ter um foco em organizações maiores, com faturamento entre R$ 10 milhões e R$ 200 milhões ao ano, competindo com o que chama de “dinossauros”: players consolidados no mercado de ERP, como Totvs e SAP.

O resultado veio rápido. Enquanto em fevereiro de 2020, empresas de menor porte compunham 97% dos novos clientes, hoje 35% da nova receita já vem das médias e grandes. No total, a companhia conta com mais de 50 mil clientes.

Lombardo, CEO da Omie, disse ao site NeoFeed que fará novas aquisições para expandir as capacidades do produto da companhia, que é voltado a aspectos financeiros e tem os contadores como um dos públicos-alvo.

Sem dar muitas pistas dos próximos passos, o executivo afirmou que o foco das aquisições será na área de varejo: “de moda a food service, estamos olhando várias oportunidades”.