Alfredo Sestini.

Tamanho da fonte: -A+A

Alfredo Sestini, ex-diretor de vendas sênior de Experiência do Cliente no Brasil da Oracle, acaba de assumir o cargo de head do Zoom no Brasil.

O executivo estava há 13 anos na Oracle, onde passou por uma série de cargos relacionados a vendas de soluções para a área de marketing.

Sestini foi o responsável por implantar a área de Marketing Cloud da Oracle primeiro no Brasil e depois expandir para América Latina. Antes de ingressar na Oracle, ele foi consultor sênior da IBM.

O comunicado de contratação de Sestini é a primeira informação do Zoom diretamente sobre o mercado brasileiro.

Mas a empresa, cuja plataforma de videoconferência criada em 2011 que se tornou imensamente popular em meio à crise do coronavírus, estava montando uma operação silenciosamente no Brasil nos últimos tempos.

Uma pesquisa no Linkedin revela que a empresa contratou Filipe Dantas em junho, ex-Polycon, como engenheiro de soluções, um cargo técnico.

Meses depois, em setembro, foi a vez de Flávio Generoso Valiati para o cargo de executivo de contas.

Valiati é um profissional de vendas com uma passagem de destaque na Zendesk, onde foi eleito como melhor vendedor, além de SalesForce e Santo Digital, uma parceira do Google.

No meio tempo, em agosto, a empresa nunciou a chegada do Zoom Phone, seu serviço de telefone em nuvem, a 25 novos países e territórios de todo o mundo, incluindo o Brasil.

“O Zoom experimentou um crescimento sem precedentes este ano, inclusive nos países da América Latina, e ajudou pessoas e empresas a se manterem conectadas nestes tempos desafiadores. Estou feliz por ingressar no Zoom e ajudar a empresa a se estruturar na região e a executar sua visão”, disse Sestini.

O trabalho de Sestini é mais desafiador do que parece.

No terceiro trimestre, a empresa teve um aumento de receita de nada menos de 367%, para US$ 777,2 milhões, o terceiro trimestre consecutivo de crescimento na faixa dos três dígitos.

Grandes resultados trazem grandes responsabilidades, no entanto: a ação da empresa caiu na bolsa depois de uma previsão de crescimento de só 329% para o quarto trimestre.

A queda se acelerou depois da Pfizer anunciar resultados positivos para a vacina do Covid.

O desafio da empresa agora é provar que veio para ficar depois de que a crise do coronavírus tenha sido superada no médio prazo.

Isso envolve atender e manter uma base de clientes corporativos, que estãos sendo assediados com outras ofertas de software de videoconferência de players consagrados na área, como a Microsoft, ou mesmo novas potências, como o Google.