O ranking de 2019 é composto por 100 empresas selecionadas entre as 177 que enviaram dados. Foto: Pexels.

Acaba de sair a 14ª edição da pesquisa “As PMEs que Mais Crescem no Brasil”, um levantamento anual feito pela Deloitte das empresas emergentes com alto ritmo de crescimento do país.

Como já aconteceu em anos anteriores, quase um terço (31%) delas são de TI, mais do que a segunda e a terceiras categoria do ranking somadas. 

A participação no estudo é voluntária. Esse ano, o ranking é composto por 100 empresas selecionadas entre as 177 que enviaram dados e cumpriram as regras, que incluem não estar vinculadas a grupos empresariais com receita superior a R$ 2 bilhões em 2018.

O ranking é, portanto, um bom “quem é quem” de empresas de tecnologia no país. Confira:

A número 1 do ranking é a Foxbit, um exchange de bitcoins paulista que faturou R$ 14,4 milhões em 2018, um resultado que significa que a empresa em média quadruplicou a cada ano desde 2016.

A segunda da lista é a Prime Control, uma empresa paranaense de teste de software, com um faturamento de R$ 14,8 milhões, mas que "apenas" triplicou anualmente desde 2016.  

A Harpia Cloud, uma revenda SalesForce sediada em São Paulo, vem em quarto lugar, com R$ 13,4 milhões, e um crescimento de 132% na média.

A fabricante de PCs Accept segue em sexto, com um faturamento de R$ 145,9 milhões, uma alta combinada de 110,30% nos últimos três anos.

A Omiexperience, desenvolvedora do ERP em nuvem Omie, ocupa o oitavo lugar, com receita de R$ 28,1 milhões em 2018, um crescimento médio de 107% desde 2016. Na edição do ano passado, a empresa aparecia em terceiro, com um pique maior: 230,02% desde 2015.

Na nona posição está a Qi Network, parceira Google Cloud de Santa Catarina, com um faturamento de R$ 10,9 milhões, um crescimento médio de 100%. 

A Rock Content, uma plataforma mineira para geração de conteúdo para blogs corporativos aparece em 15º, com um faturamento de R$ 35,9 milhões e um crescimento anual médio de 70%.

A Dedalus Prime, empresa de cloud com parcerias com AWS, Microsoft e Google vem em 18º lugar, com faturamento de R$ 135 milhões, alta média anual de 56%. A empresa já estava na lista no ano passado, mas em 47º lugar, com crescimento de 30,95%.

O 20º lugar é da Mandic, que faturou R$ 112 milhões em 2018, uma média de 54% anual. Com sede em São Paulo, a Mandic tem filiais em Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro. A empresa tem 13 mil clientes, 6 mil servidores, mais de 1 milhão de contas de e-mails e 200 profissionais especialistas em cloud computing.

Na 25ª posição, a Soluti registrou receita de R$ 49,6 milhões no ano passado, alta de 48% na média dos últimos três anos. A empresa de certificação digital tem sede em Goiás.

A paulista Opah IT Consulting ficou em 33º lugar, com um faturamento de R$ 13 milhões, alta de 43%. Com 7 anos de mercado, a Opah tem cerca de 100 colaboradores e atua em transformação digital, desenvolvimento de software web e Mobile, além de suporte a produtos de empresas como Oracle, Microsoft e Amazon. 

O ranking tem a Segware no 43º lugar.  Com faturamento de R$ 15,9 milhões em 2018, a empresa catarinense focada em software de monitoramento de alarmes tem uma média de 34,9% nos últimos anos.

No 45º lugar aparece a VTEX, fornecedora de plataforma de e-commerce, com receita de R$ 179,3 milhões em 2018. A empresa registrou crescimento de 33,39% desde 2016. Entre os mais de 2,5 mil clientes da VTEX estão nomes como Walmart, O Boticário, C&A, Ambev, Motorola e Whirpool. A companhia tem hoje unidades em 14 cidades.

A Link Solutions, de João Pessoa, ocupa a 46ª posição. Em 2018, a companhia alcançou receita de R$ 32,1 milhões, o que representa uma alta de 32,89% na média dos últimos 3 anos. Fundada em 2007, a empresa é especialista no mercado de gestão de dados entre máquinas, conhecido como M2M.

O ranking conta também com a Markway na 48ª colocação. A empresa atua como uma parceira da Oracle e tem sede no Rio de Janeiro. O crescimento médio da companhia ficou em 32,66% nos últimos anos com a receita de R$ 14,7 milhões alcançada em 2018.

Já a Quality Software, na 49ª posição, teve alta de 32,37% e receita de R$ 119,4 milhões no ano passado.

A Avansys Tecnologia, da Bahia, está na 52ª colocação do ranking. A empresa teve receita de R$ 17,5 milhões em 2017, o que levou a um crescimento médio de 29,84% desde 2016.  A companhia é focada em prestação de serviços especializados de desenvolvimento e manutenção de softwares.

A Sinqia (antiga Senior Solution) ocupa a 53ª posição, com um aumento médio na receita de 29,64% desde 2016. A empresa alcançou receita de R$ 142,1 milhões no ano passado. A companhia é uma desenvolvedora nacional de aplicativos para o setor financeiro. 

O 55º lugar ficou com a CINQ Technologies, que obteve receita de R$ 31 milhões em 2018. A fábrica de software e testes obteve alta de 29,02% na média dos últimos três anos.

A GreyLogix Brasil está na 57ª colocação da lista. Focada em serviços de engenharia elétrica, controle de automação e softwares de controle, a empresa registrou faturamento de R$ 12,5 milhões em 2018. Com isso, alcançou crescimento médio de 28,45% desde 2016.

A IVIA, na 60ª posição, teve receita de R$ 66,5 milhões em 2018, com crescimento de 26,79%. Com atuação em serviços de BI, outsourcing e desenvolvimento de software, a empresa tem unidades em Fortaleza, Natal e Recife.

No 62º lugar aparece a CTINET. A empresa obteve faturamento de R$ 20,9 milhões no ano passado, com aumento de 26,53% na média dos últimos três anos. A CTI é especializada em soluções de link dedicado, cloud computing, backup na nuvem e e-mail corporativo.

O ranking conta com a Squadra na 63ª colocação. A empresa registrou alta média de 26,39% no faturamento desde 2016. No ano passado, a receita da companhia foi de R$ 59,8 milhões.

A Techlead IT Solutions, de Belém, está na 64ª posição. Com foco em serviços de TI, a empresa tem 15 de mercado e atua com projetos que podem envolver desde a infraestrutura de TI até o desenvolvimento de aplicações corporativas. Em 2018, a Techlead obteve receita de R$ 10,3 milhões, chegando a um crescimento médio de 25,78% desde 2016.

A Selbetti aparece na 71ª posição, com um crescimento de 24,48% e receita de R$ 131,2 milhões em 2018. A empresa atende a mais de 2,1 mil clientes, sendo responsável pela gestão de quase 30 mil equipamentos de impressão. 

O 82º da lista é da ConnectCom, de São Paulo, que registrou faturamento de R$ 89,6 milhões em 2018. Assim, a empresa chegou a uma alta de 20,59% na receita dos últimos três anos. A ConnectCom atua com soluções como service desk, field service, produtos digitais, outsourcing e RPA.

A Um Telecom, de Pernambuco, está na 84ª colocação. A operadora regional é especializada em produtos e serviços de telecomunicações. Em 2018, faturou R$ 42 milhões, alcançando média de 20,40% de alta desde 2016.

A ISH Tecnologia, especializada nos segmentos de cibersegurança, infraestrutura crítica e nuvens blindada, ficou no 89º lugar. Com faturamento de R$ 106 milhões em 2018 e crescimento de 19,44% nos últimos três anos.

No 92º está a Apdata, com receita de R$ 68,1 milhões e aumento médio de 18,24%. A companhia é especializada em soluções para gestão de RH. 

A Linx aparece na 93ª colocação. A companhia registrou alta de 17,59% na média dos últimos três anos e receita de R$ 559 milhões em 2018. Especializada em software de gestão para o varejo, a Linx possui cerca de 3 mil colaboradores distribuídos entre sua sede em São Paulo, 13 filiais pelo Brasil e 7 países da América Latina.

A última empresa de TI do ranking aparece na 98ª colocação. A Take alcançou crescimento médio de 16,80% nos últimos três anos com a receita de R$ 48,4 milhões conquistada no ano passado. A empresa é criadora de uma plataforma de desenvolvimento de chatbots.