Bruno Peroni e Bruno Hardt, da Prana Capital; Felipe Novaes e Marcone Siqueira, da The Bakery. Foto: divulgação.

A unidade brasileira da The Bakery, empresa britânica de inovação corporativa, e a Prana Capital, companhia de investimentos fundada em 2019, montaram uma joint venture e lançaram um fundo para captação de US$ 5 milhões para investir em startups brasileiras e estrangeiras.

O valor deve ser destinado ao crescimento de startups brasileiras que atuem no B2B e, de outro lado, à atração de empresas estrangeiras com potencial de negócios no Brasil. 

Com previsão de um período de investimento entre 18 e 24 meses, o aporte para cada empresa será entre US$ 150 mil e US$ 500 mil, o equivalente a rodadas do tipo seed no Brasil e pré-seed fora do país. O portfólio deve ter um número de investidas entre 8 e 12.

Cerca de 75% das startups que receberão aporte do fundo são mapeadas previamente a partir de uma rede global de soluções que a The Bakery possui no Brasil e em mais de 30 países. 

Elas são selecionadas para participar de programas de inovação com foco em resolver problemas e desafios de grandes empresas, direcionados pela inovação aberta. 

As mais promissoras, que cumprem as métricas estipuladas nos testes e podem ser escaladas posteriormente para atuarem junto aos clientes da The Bakery, são fortes candidatas para as rodadas do novo fundo — já que terão passado por criteriosa avaliação de negócio nos processos internos.

“Muitas dependem de financiamento para conseguirem, de fato, fechar contrato e trabalhar com uma corporação, e até de recursos para se instalar no país, no caso das estrangeiras. Se o problema delas é capital, nós resolvemos”, afirma Marcone Siqueira, cofundador da The Bakery.

A joint venture também estará de olho em outras startups fora desse circuito que possam fazer sentido para a sua carteira. Essas devem representar aproximadamente 25% do total.

Para isso, a equipe já começou algumas conversas preliminares com possíveis investidores interessados e deve intensificá-las a partir da segunda quinzena de janeiro.

“Não vamos pulverizar demais. Será um fundo híbrido. Nossa ideia é captar grandes investidores individuais e Family offices. Também temos visto demanda de investidores institucionais, incluindo as corporações que fazem negócio com as startups e que podem se beneficiar diretamente do crescimento delas”, explica Bruno Peroni, responsável pela área de venture capital da Prana.

A Prana é uma casa independente fundada em 2019 por Bruno Hardt e Thaís Martin. A empresa possui R$ 500 milhões sob gestão de clientes que investem em ativos tradicionais e alternativos.

Já a The Bakery foi fundada em Londres, em 2012, e opera no Brasil há três anos com a liderança dos sócios e cofundadores Felipe Novaes e Marcone Siqueira, prestando consultoria de inovação para companhias como Natura, Vale, Sanofi Medley e Itaú.