GESTÃO

Mato Grosso pode fechar estatal de TI

17/04/2019 07:08

MTI é o equivalente mato grossense da paulista Prodesp ou da gaúcha Procergs.

Mauro Mendes está de olho nos números. Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

Tamanho da fonte: -A+A

O governo do Mato Grosso está considerando a possibilidade de fechar as portas da estatal estadual de tecnologia, a Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI), equivalente local de empresas como a paulista Prodesp ou a gaúcha Procergs.

Em janeiro, a Assembleia Legislativa deu carta branca para o novo governador, Mauro Mendes (DEM), para conduzir um processo de enxugamento da máquina administrativa, fechando ou integrando estatais dentro da estrutura do governo. 

Em declarações recentes ao jornal local O Documento, Mendes foi taxativo:

“As empresas públicas e autarquias que não apresentarem viabilidade serão extintas”, garantiu o governador. “Se tiver viabilidade fica, se não tiver viabilidade certamente será extinta”.

Até agora, já foram fechadas a Central de Abastecimento do Estado de Mato Grosso (Ceasa) e a Agência de Desenvolvimento Metropolitano da Região do Vale do Rio Cuiabá (Agem).

Na lista então meia dúzia de outras empresas, como a Companhia Mato-grossense de Gás (MT Gás), a Agência de Fomento do Estado de Mato Grosso (Desenvolve MT, antiga MT Fomento) e a Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat).

A “licença para extinguir” dada ao governador causou uma corrida dos gestores das empresas por cortar custos e produzir relatórios que comprovem porque elas devem seguir existindo, o que provavelmente era a intenção.

No caso da MTI, o plano de viabilidade técnico e financeiro deve sair até o dia 8 de maio por uma comissão de trabalho formada por oito funcionários da estatal. Recentemente, eles tiveram o prazo para tanto para tanto prorrogado em 45 dias.

De todas as formas, a MTI já fez uma reestruturação do quadro de pessoal, com a redução de diretorias e a extinção de 30% de cargos em comissão em vários níveis. Além disso, está em vigência o Plano de Demissão Voluntária, que já conta com a adesão de 172 servidores.

Em janeiro, uma matéria do site Mato Grosso Mais mostrou que 75 dos 500 funcionários da empresa ganham mais de R$ 20 mil mensais.

O levantamento aponta que a folha da estatal atingiu a marca de R$ 2,03 milhões (somando remunerações, incrementos salariais e outros benefícios).

Fundada há 45 anos, o MTI tem um histórico parecido com das outras estatais do tipo espalhadas pelo país.

A empresa atende cerca de 174 clientes nas esferas estadual, municipal e federal, administrando uma penca de sistemas, incluindo a nota eletrônica e outros.

A MTI mantém mil servidores virtuais e físicos, 260 aplicações e 60 km de fibras óticas.

Veja também

ESTADO
Procergs: nomeação de presidente bloqueada

Conselho de administração teria apontado potencial conflito de interesse.

LICITAÇÃO
Procempa terá fábrica de software

DBServer, Connectis, CTIS e Stefanini são as prováveis participantes da disputa.

FUTURO
Ceitec parte para o ataque

Estatal de chips instalada em Porto Alegre anuncia acordo com a Pirelli.

ESTATAIS
Deborah Villela sai da Procergs

O motivo é a incerteza quanto a legalidade da sua permanência com a entrada em vigor da Lei das Estatais.

E-MAILS
Procergs fecha Via-RS

Os cerca de 15 mil usuários de e-mail do Via-RS terão que encerrar suas contas nos próximos 90 dias.

DADOS
Falha na Procergs afeta IPVA no RS

Um incidente fez com que algumas multas devidas não fossem computadas no sistema como pagas.

BRASÍLIA
Apex: hacker japonês espiona presidente?

Presidente demitido de caótica agência estatal acha que era espionado por hacker.

SEGURANÇA
Dados de aposentados do INSS vazam

Ao que tudo indica, funcionários estão vendendo dados para financeiras.

CHIPS
Ceitec segue vivo e pode escapar

Estatal não foi fechada. Ministério de Ciência e Tecnologia não quer privatizar.

ESTATAIS
Serpro tem alta de 273% no lucro

Estatal divulgou lucro quase três vezes superior à previsão de novembro. Suspeito?

 

ESTATAIS
Andrade assume Serpro

Demorou mas foi. Empresário assume estatal de TI do governo federal.