CAPITAIS

Cosentino tem fundo de investimento

17/08/2021 08:20

Grupo GHT4 conta com outros três nomes pesos pesados e já fez aportes em startups.

Laércio Cosentino. Foto: divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

Laércio Cosentino, fundador da Totvs, acaba de criar um fundo de investimento no qual vai aplicar parte da sua fortuna pessoal, junto com outros três empresários de calibre.

O Grupo GHT4 é definido como um “Multi Family Office”, ou seja, uma espécie de condomínio de investimentos, unindo as iniciativas já previamente existentes (individualmente, esses fundos são conhecidos como “family offices”).

Além de Cosentino, participam da empreitada também Caio David, ex-CEO do Itaú BBA; Guga Valente, co-fundador do Grupo ABC, maior grupo de comunicação brasileiro e Rodrigo Vella, co-fundador de Vella Pugliese Buosi e Guidoni Advogados.

O fundo já está em atuação, com oito empresas investidas e com três novas no pipeline. O GHT4 não revela qual é o capital total, a meta de investimentos ou quanto foi aplicado até o momento. 

Na nota, foram divulgados os nomes das investidas Mendelics, especializada no diagnóstico de doenças genéticas;  Shipay, uma empresa de pagamentos digitais; BR-ME, um e-commerce de vinhos; Biosolvit, outra empresa de biotecnologia e Brain4Care, uma startup especializada em tecnologia para mediação de pressão intracraniana.

O tamanho das empresas varia muito, indo desde centenas de funcionários até menos de uma dezena.

“Cada um dos sócios tem suas competências únicas e, agora, juntos nos completamos nessa nova jornada de unir a gestão dos patrimônios com a possibilidade de investir e apoiar novos negócios que gerem valor sendo sustentáveis”, comenta Cosentino.

Montar fundos parece ser uma tendência entre os grandes nomes do setor de tecnologia nacional. Recentemente, Marco Stefanini, fundador e CEO da Stefanini, lançou um fundo de investimentos com capital de R$ 300 milhões.

Parte do capital viria de outros family offices, dentro do modelo no qual está trabalhando o GHT4. 

O foco não será exclusivamente em investir. Em nota, o GHT4 destaca que terá “um olhar holístico”, indo também planejamento tributário, controle de riscos, governança familiar, comitês, formação e planos de sucessão.  

Uma transição de comando dentro da família Cosentino não parece estar nos planos, pelo menos em curto e médio prazo.

No final de 2018, a empresa chamou Dennis Herszkowicz, ex-CFO da Linx, para assumir o cargo de CEO, com Laércio Cosentino passando a assumir o conselho.

Foi a segunda tentativa de fazer uma transição. A primeira foi em 2015, quando a Totvs anunciou a contratação de Rodrigo Kede, um executivo de carreira da IBM, que acabou ficando apenas seis meses na posição, saindo em circunstâncias mal explicadas.

A contratação de Herszkowicz, por outro lado, é um sucesso. A empresa exibe resultados que não tinha há uma década e tem feito grandes tacadas para diversificar seus negócios em áreas como fintech e marketing digital, envolvendo inclusive aquisições bilionárias. 

No longo prazo, um candidato a assumir a empresa parece ser Marcelo Cosentino, filho de Laércio, que começou na empresa em 2001 como um estagiário na área de vendas e vem fazendo uma carreira discreta na Totvs desde então, passando por diferentes áreas. Em julho de 2018, Marcelo assumiu a posição de head de Product Management.

Veja também

UNICÓRNIO
Unico levanta US$ 120 milhões

Com o novo aporte, empresa de idtech passa a ser avaliada em US$ 1 bilhão.

SAAS
Nuvini compra Mercos

É a sexta compra da holding de empresas de software as a service em seis meses.

CRÉDITO
Cignifi recebe aporte de US$ 1 milhão

BR Angels, Gávea Angels e fundos internacionais participaram da rodada.

CONSTRUÇÃO
Duratex vai investir R$ 100 mi em startups

A companhia criou um fundo de Corporate Venture Capital e atuará com o auxílio da Valetec.

TENDÊNCIA
O ESG já é uma realidade no Brasil?

Interesse no meio empresarial pela agenda ambiental, social e de governança está em alta.

TRANSPORTE
Buser levanta R$ 700 milhões

Rodada série C foi liderada pela LGT Lightrock com participação de outros seis fundos.