Equipe do projeto Transformar. Foto: Divulgação.

A Amazonas e Roraima Energia, duas empresas do setor de distribuição de energia elétrica recentemente privatizadas, vão adotar o S/4 Hana, última versão do software de gestão da SAP, em projetos conduzidos pela Meta.

Ambas empresas pertencem ao consórcio Oliveira Energia/Atem, que se comprometeu em leilões realizados no ano passado a fazer aportes de capital de R$ 777 milhões nas duas empresas, antes pertencentes à estatal Eletrobras.

O kick off do projeto aconteceu no dia 19 de novembro. As empresas fazem parte no segmento de utilities, nos quais a SAP é líder de mercado, atendendo a grande maioria das empresas do setor elétrico do país.

“Trata-se de um projeto extremamente importante para as empresas Amazonas e Roraima Energia, pois funcionará como habilitador de nossa estratégia. Elevará nossa eficiência operacional e financeira, a medida em que conseguiremos atender aos requisitos legais e regulatórios, com processos padronizados o que nos permitirá tomar decisões mais ágeis”, afirma Fábio Fick, Diretor de Administração do cliente.

Para a Meta, trata-se de projetos pioneiros tanto no setor de energia elétrica quanto na região norte do país. A empresa é sediada em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre, e é uma das parceiras da SAP com mais experiência em projetos S/4 Hana.

“A parceria com a Amazonas e a Roraima Energia promove a expansão da Meta em uma nova região do Brasil, a partir de duas empresas símbolo do norte do país. O segmento de Utilities é tradicional em SAP e muito nos orgulha a confiança do cliente na Meta para um projeto que tem cerne na modernização da companhia”, resume Telmo Costa, CEO da Meta.

A Meta tem uma atuação diversificada, presença nacional com escritórios no Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Miami e mil funcionários atendendo uma carteira de 350 clientes, incluindo nomes como Lojas Renner, Herval, Hospital Sírio Libanês, Unimed, Sicredi e GetNet.

A Amazonas Energia atende a quase 900 mil consumidores em 62 municípios do estado, o maior do país, com quase 20% do território nacional. Já a Roraima Energia atende os 15 municípios do estado e tem um total de 165 mil clientes, em um estado um pouco menor que São Paulo.

Tanto a Amazonas quanto a Roraima Energia enfrentam desafios importantes a nível de negócios.

A empresa do Amazonas era a mais deficitária e endividada de uma série de seis distribuidoras de eletricidade no Norte e Nordeste privatizadas pela Eletrobrás ao longo de 2018, com uma dívida de R$ 2,1 bilhões, assumida pelos novos donos.

Já o problema da Roraima Energia é outro. Como o estado é o único do país sem conexão com o sistema nacional de energia, ele depende de importações de energia gerada por hidroelétricas da Venezuela e de usina térmicas locais.