Linus Torvalds quer mudar. Foto: Wikimedia.

Linus Torvalds, o homem por trás do kernel do Linux e, nas suas próprias palavras, alguém “realmente desagradável”, vai dar um tempo para tentar ser uma pessoa melhor.

Em um e-mail enviado na lista de discussão dos envolvidos na manutenção e desenvolvimento do kernel, Torvalds se desculpou pelo seu passado de respostas explosivas e ataques pessoais, e disse vai procurar ajuda.

“Eu preciso mudar meu comportamento”, disse Torvalds no e-mail, agregando “gostaria de me desculpar com todas as pessoas que meu comportamento pessoal feriu e possivelmente afastou do desenvolvimento do kernel”.

Torvalds criou o kernel do Linux no começo dos anos 90 e vem sendo o principal nome por trás do projeto desde então.

O uso do código, no entanto, aumentou muito, passando a incluir não só todos os sistemas operacionais Linux, mas também o Android e o Chrome OS, rodando em celulares, servidores, notebooks, roteadores e equipamentos de Internet das Coisas.

Mas o trabalho é feito por 10 mil desenvolvedores: em 2006, a estimativa é que apenas 2% do kernel era código feito por Linux. Ainda assim, é uma das maiores contribuições individuais.

A decisão de Torvalds acontece depois do Linux Kernel Maintainers' Summit, um evento com os 20 principais integrantes do time de desenvolvimento do kernel ser alterado de última hora de Vancouver, na costa oeste do Canadá, para Edimburgo, na Escócia.

O motivo da mudança, em cima da hora, foi o fato de Torvalds ter se atrapalhado com as datas e marcado férias familiares no Reino Unido. O desenvolvedor sugeriu não ir no evento, o que iniciou uma discussão interna.

“Nesta semana, pessoas na nossa comunidade me confrontaram com uma vida inteira de não entender emoções”, confessa Torvalds. “Na minha busca por um melhor patch, essa atitude fazia sentido para mim. Agora eu sei que não era OK e estou arrependido”.

Torvalds também apresentou um novo código de conduta para os participantes, visando transformar a comunidade em torno do kernel em um "ambiente mais acolhedor".