PAGAMENTO

CloudWalk tem aporte de US$ 190 milhões

19/05/2021 09:31

Empresa dona da maquininha InnitePay leva a maior série B já feita no Brasil.

Segredo da CloudWalk é derrubar o preço por transação. Foto: https://www.flickr.com/photos/130455326@N05/28375232905.

Tamanho da fonte: -A+A

A CloudWalk, empresa de pagamentos que opera com a maquininha InnitePay, acaba de levantar um aporte de US$ 190 milhões, liderado pelo fundo americano Coatue.

De acordo com o Pitch Book, o maior repositório mundial de transações desse tipo, o valor torna a CloudWalk a receptora da maior segunda rodada de investimento no Brasil (o que no jargão é chamado de série B).

Segundo revela o Brazil Journal, o aporte teve participação do DST Global, que no Brasil já investiu no Nubank, Loft e Neon, três das maiores fintechs em atuação no país, o que dá uma ideia das expectativas em torno da CloudWalk.

Fundada em 2013 por Luís Silva, um autodidata que aprendeu a programar com 15 anos, a CloudWalk tem tecnologia na receita do seu sucesso até agora.

A empresa cobra taxas muito menores que a concorrência, porque consegue pegar os fraudadores mais rápido com uso de software.

O índice de fraude nas transações da CloudWalk é de apenas 0,08%, em comparação a uma média de 0,8% na indústria.

“Desde o início, sabíamos que o problema da taxa não era financeiro, mas era um problema de dados e tecnologia”, disse Luís ao site Brazil Journal.

Na antecipação de recebíveis de vendas parceladas em 12 vezes, a empresa cobra 7,45% ao ano, enquanto as adquirentes tradicionais cobram de 25% a 50%. Sua taxa de processamento é de 0,4% por transação, contra de 1,5% a 2% dos concorrentes.

A empresa entrou no mercado de adquirência há dois anos e sua maquininha já é usada por mais de 70 mil pequenos e médios varejista, que devem gerar um volume de transações na casa do US$ 1,2 bilhão neste ano.

Para efeito de comparação, a Stone tem uma base de cerca de 650 mil clientes  e processou R$ 209 bilhões em 2020.

Veja também

VAREJO
Linx cria aplicativo para farmácias com DB1

Batizada de Linx Farma Cloud, a solução SaaS para o segmento foi dividida em dois sistemas.

FINTECH
Dança das cadeiras na Ebanx

Fintech de destaque reorganiza cargos de fundadores e traz um CFO de peso.

IPO
Zenvia vai buscar US$ 213 milhões na Nasdaq

Processo para abrir capital na bolsa de valores americana segue andando.

GRUPO
Movile adota B1 da SAP nas suas empresas

Exceção fica com o iFood, que já usa o S/4. Implantação é da Ramo.

CARREIRA
Havan Labs quer contratar 300

Com a cifra, varejista catarinense vai mais do que dobrar o seu time de tecnologia.

AI
OrthoDontic investe R$ 1 milhão em chatbot

A rede de clínicas adotou a tecnologia da Take e reduziu em até 85% os custos com atendimento.

BOLSA
PicPay fará IPO na Nasdaq

Há uma semana, a fintech de pagamentos bateu mais de 50 milhões de usuários.

CARAS
Itaú tem biometria no app

Deve ser um dos maiores contratos do ano. Infelizmente, o Itaú não fala quem levou.

DOR DE CABEÇA
Mercado Livre quer melar compra da Magalu

Aquisição da fintech Hub Prepaid foi aprovada pelo Cade em março, mas a concorrente recorreu.

CHOCOLATE
Lindt integra lojas físicas e e-commerce com Adyen

No início da pandemia, a varejista de chocolates lançou seu e-commerce em 15 dias.