Nancy McKinstry, diretora executiva da Wolters Kluwer. Foto: divulgação.

A holandesa Wolters Kluwer adquiriu a Prosoft, empresa paulista de software fiscal e contábil. O valor da transação não foi revelado.

Com 250 colaboradores, a Prosoft atende em todos os estados do país, e oferece soluções para contabilidade, folha de pagamentos, gestão e arquivamento de documentos utilizadas por mais de 150 mil usuários.

Com a compra, a direção da Prosoft, presidida por Carlos Meni, permanecerá na empresa.  

“A combinação com a Wolters Kluwer nos permitirá permanecer focados em nossos clientes, que são os profissionais da área da tributação, contabilidade e negócios, ao mesmo tempo, com alcance global”, comenta Meni.

Já a diretora executiva da Wolters Kluwer, Nancy McKinstry, afirma o software fiscal e contábil como um negócio no foco da estratégia de crescimento da companhia.

“Esta aquisição expandirá nossa posição global nesta área para uma das regiões geográficas de maior crescimento no mundo”, afirma ela. “A Prosoft nos permitirá também avançar na direção de soluções colaborativas baseadas na nuvem”, completa Kevin Robert, diretor da divisão de Impostos e Contabilidade da compradora.

Com sede em Alphen, na Holanda, a Wolters Kluwer também atua com divisões de soluções para a área legal e regulatória, saúde e finanças.

O investimento da multinacional em compras no Brasil para fortalecer a área fiscal segue a linha já trilhada por outros nomes de peso, como a Thomson Reuters, que desde 2010 adquiriu oito companhias no país, das quais a metade cria soluçóes para os setores fiscal e tributário.

As quatro são: Mastersaf, Conceito W, Alliance e FiscoSoft.

Em outras áreas, a Thomson Reuters comprou por aqui também a Tedesco, Revista dos Tribunais, Sitecom e Novaprolink.