DATAVALID

MP acusa Serpro de ilegalidade no uso de dados

21/06/2019 11:29

O Serpro afirma que não utiliza as bases de dados do Denatran de forma indevida.

Datavalid aponta o índice de similaridade das informações submetidas pelo cliente. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) protocolou uma representação no Tribunal de Contas da União (TCU) contra o Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados), diante da ilegalidade do serviço Datavalid. 

O órgão é acusado de criar uma plataforma de validação de dados que tem como matéria-prima os dados pessoais de brasileiros, como foto, impressão digital, nome, filiação, CPF e outros.

De acordo com o MP, o Datavalid usa o banco de dados da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), que é de responsabilidade do Departamento de Nacional de Trânsito (Denatran), para validar a identidade das pessoas com informações biométricas (impressões digitais e reconhecimento facial), além de outros dados pessoais.

O acesso à aplicação de internet é vendido pelo Serpro para empresas interessadas neste tipo de pesquisa em forma de pacote de acesso.

Ao assinar o plano básico, por exemplo, o cliente do Datavalid consegue validar os dados de 999 cidadãos ao custo de R$ 0,80 por CPF. 

O serviço está disponível para locadoras de veículos, aplicativos, companhias aéreas, seguradoras, e-commerces, empresas de tecnologia e varejo, entre outros. Entretanto, o MP argumenta que os titulares das CNH não autorizaram o uso de seus dados pessoais para essa finalidade, nem foram informados do serviço.

Com a plataforma, o MP afirma que o Serpro viola uma série de dispositivos legais, entre eles o Marco Civil da Internet (Lei n. 12.965/2014) e a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei n. 13.709/2018). 

O MPDFT pediu ao TCU a imediata suspensão do serviço e a responsabilização dos seus idealizadores e gestores.

Já o Serpro afirma que não se utiliza das bases de dados do Denatran de forma indevida ou desautorizada. Segundo a empresa, o Datavalid não viola o Código do Consumidor, o Marco Civil da Internet e tampouco a LGPD, pois o serviço “apenas realiza a validação, trazendo, exclusivamente, o índice de similaridade das informações submetidas pelo cliente”.

Em nota, o Serpro completa que “essa checagem traz certeza para as relações comerciais pretendidas entre as partes, contribuindo para a proteção ao crédito e prevenção de fraudes. Viabiliza serviços privados (inclusive financeiros) e públicos (serviços ao cidadão disponibilizados pelo Estado) acessados pelo usuário, de forma espontânea, por meio de aplicativos”.

O Serpro completa que “a suposta exigência de obtenção de consentimento não faz qualquer sentido, pois o Serpro não está fornecendo nenhum dado para terceiros. A empresa cumpre integralmente todo o marco legal em vigor no território nacional”.

Veja também

PRIVACIDADE
MPDFT quer relatório sobre uso de dados da Vivo

É a primeira vez que o poder público solicita este tipo de parecer para empresas do segmento.

SEGURANÇA
Netshoes paga indenização após vazamento

O acordo com o MPDFT foi fechado em R$ 500 mil.

VAZAMENTO
CheckMeuCarro expõe dados pessoais

A empresa deixou aberto um banco de dados com aproximadamente 191 milhões de registros de CPF.

SEGURANÇA
Surgem mais dados de clientes da Tivit

Os arquivos contam com dados de clientes como Bradesco, Votorantim Energia, Tecnisa e Banco Original.

SEGURANÇA
Banco Inter terá que pagar R$ 1,5 milhão após vazamento

O valor será destinado a instituições públicas que combatem crimes cibernéticos e a instituições de caridade.

SEGURANÇA
Vazamento de dados no Sicredi?

Hackers ou funcionários descontentes? Dados de clientes de Arroio do Meio estão na Internet.

SEGURANÇA
MPDFT investiga suposto vazamento de dados da Fiesp

O MPDFT relata expostição de dados pessoais como nome, RG, CPF, endereço, e-mail e telefone.

VAZAMENTO?
MPDFT investiga segurança da Stone

Partes do código-fonte do programa proprietário utilizado nos sistemas da empresa foram tornados públicos. 

CHAMADAS
TIM multada em R$ 50 milhões

Plano Infinity foi considerado prejudicial para os consumidores.