Sede da Ceitec em Porto Alegre. Foto: divulgação.

A Ceitec, estatal federal de semicondutores instalada em Porto Alegre, está na lista de empresas a serem privatizadas pelo governo.

O governo federal anunciou nesta quarta-feira, 21, um plano para privatizar nove empresas estatais. A divulgação aconteceu no Palácio do Planalto após uma reunião do presidente Jair Bolsonaro com o conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

Na terça-feira, 20, o ministro da Economia, Paulo Guedes, falou sobre a venda das 17 estatais. No entanto, o governo confirmou apenas nove nomes na quarta-feira: Telecomunicações Brasileiras S/A (Telebras), Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Correios), Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev), Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), Empresa Gestora de Ativos (Emgea), Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec), Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) e Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF).

Segundo Guedes, a meta estabelecida ao secretário de Desestatização, Salim Mattar, é de privatizar US$ 20 bilhões ainda em 2019.

“Vamos acelerar as privatizações. Tem gente grande que acha que não vai ser privatizado e vai entrar na faca”, disse Guedes.

Ainda que não fosse exatamente “gente grande”, a Ceitec poderia ter lá seus motivos para achar que não ia “entrar na faca”.

A privatização da empresa tem sido motivo de embate entre a ala privatista do governo, encabeçada por Guedes e Mattar, e o ministério de Ciência e Tecnologia, que tem feito movimentos para manter as estatais da pasta.

Em janeiro, o Estadão chegou a publicar que a empresa deveria ser fechada, os funcionários serão demitidos e os ativos vendidos.

A liquidação deveria ser aprovada pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que agora fala em privatização.

A Ceitec e o ministério de Ciência e Tecnologia reagiram, por meio de declarações e uma visita oficial do ministro Marcos Pontes, seguida de um anúncio em Brasília de um acordo com a Pirelli na área de Internet das Coisas.

Agora a coisa muda de figura, no entanto. A Ceitec deixará de estar nas especulações da imprensa e do secretário Mattar, para entrar numa lista com outras 17 companhias.

A lista vem com o respaldo de Guedes e fazer as privatizações andarem será um teste de força para a ala privatista do governo.

Ainda não se conhece toda a lista, mas se sabe que ela vai incluir nomes como os Correios, provavelmente a maior empresa da lista, e a Trensurb, estatal que opera trens na região metropolitana de Porto Alegre.

São companhias cujos sindicatos tem muito mais capacidade de defender sua continuidade como estatais do que a Ceitec, uma empresa que está mais ou menos à deriva desde o impeachment da presidente Dilma e a crise econômica, quando sumiram o incentivo político e o dinheiro para a ideia de transformar o Brasil em um polo de desenvolvimento de semicondutores.

Além de não estar mais na agenda de prioridades do governo, a Ceitec demanda investimentos pesados, que totalizam desde 2008 a cifra R$ 1,08 bilhão, dos quais R$ 400 milhões foram na construção e outros R$ 680 milhões em outros investimentos e custeio. 

A empresa tem quase 200 empregados, dos quais quatro são pós-doutores, 10 doutores e 46 tem mestrado. O salário médio é R$ 8,6 mil.

 *Atualizada às 19h45 com informações sobre o anúncio oficial do governo federal.